As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Olhaí a Cris, de Bauru

Luiz Carlos Merten

15 Setembro 2014 | 08h59

Minha amiga Cristina Rodrigues Franciscato, a Cris de Bauru, é a maior entendida que conheço sobre cultura grega. Vou até fazer um comercial. A Cris organiza grupos para viajar à Grécia, selecionando todo ano um tema que determina as escolhas de locais e o próprio tempo da excursão. Meu amigo Dib Carneiro já foi – com o filho Heitor – e amou. A Cris foi ver dois filmes e não resistiu. Fez as críticas que reproduzo abaixo. Se cuidem, coleguinhas…

Assisti “Hércules“. Sempre fico dividida quando um filme dessa natureza entra em cartaz. Sei que não vou gostar, mas não resisto á curiosidade … Fico pensando porque não se faz um filme realmente bacana sobre Héracles… Recursos não faltam. Esse, que acabou de entrar em cartaz, coloca Euristeu – rei de Argos, no Peloponeso, para quem o herói realiza os famosos 12 Trabalhos – como rei de Atenas. Hércules (nome latino de Héracles) é um lutador mercenário, acompanhado por um… grupo de amigos: figuras de mitos diferentes colocadas juntas, como Atalanta, Tideu, Anfiarau, etc. A história principal é invenção de Hollywood, mas com elementos do mito. Há referências a alguns dos 12 trabalhos, narrados no filme por Iolau, sobrinho do herói, sempre deixando o espectador em dúvida se eles aconteceram de fato ou se são histórias aumentadas pelo jovem, para incentivar a fama do tio de ser filho de Zeus. Pesquisas foram feitas para o filme, pois até a versão trágica de Eurípides sobre a loucura do herói, que o faz matar esposa e filhos, é usada no enredo. Então, pergunto: por que não fazer algo direito, contando alguns episódios do mito de Héracles de modo mais fiel ás fontes literárias gregas, tão ricas, arquetípicas e inspiradoras?

 

De fato, anda difícil ir ao cinema e sair do filme achando que valeu o ingresso! É uma alegria quando um filme nos surpreende positivamente! E “A 100 passos de um sonho” foi pura alegria! O filme é um poema, como história e como imagem – sua fotografia é primorosa – embora com enredo despretensioso! Amei e recomendo! Ele conta a história de uma família indiana que precisou abandonar a pátria e, pela mão do “acaso”, acaba morando em uma encantadora cidadezinha francesa. Como eles tinham restaurante em Mumbai e um dos filhos era um talentoso cozinheiro, escolheram esse vilarejo para abrir o novo restaurante! O problema é que bem em frente do local encontrado já havia o estrelado restaurante da elegantíssima Helen Mirren… Uma fusão de culturas, sentimentos, cores e sabores!