As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O verão em números. A salvação de Hollywood depende da Mulher Maravilha e do Último Jedi

Luiz Carlos Merten

12 Setembro 2017 | 10h10

E chegamos ao 12 de setembro, dia do meu aniversário. 72 anos esta noite! Dia de comemorar, apesar do estado do mundo. Há dias estou querendo acrescentar um post. Tem de ver com uma capa da concorrência na semana passada. Verão puxado. Os números do verão americano. Está sendo o pior verão, em números, para o cinema de Hollywood, com uma sucessão de fracassos. A bilheteria deste ano vai ficar abaixo dos US$ 4 bilhões, registrando o pior desempenho em 11 anos. Os maiores sucessos do ano foram Mulher-Maravilha, Guardiões da Galáxia 2 e Homem Aranha – De Volta ao Lar. E, claro, o maior sucesso de todos, a versão live de A Bela e a Fera. Eu me sinto na contracorrente. Achei A Bela e a Fera a coisa mais insossa do planeta e confesso que, embora achando o filme legal, o herói teen Spider Man, com seus problemas típicos de adolescente, não foram para meu bico. Puta moleque chato, preferi os conflitos mais intensos de Guardiões (mesmo que o filme seja muito divertido) e da Mulher Maravilha. Teria gostado muito mais de Rei Arthur sem aquele monstro de CGI, e a ideia de um rei inglês forjado no bordel achei ótima, com um ator que tem o physique e a rola perfeitos, Charles Hunamm, excepcional em A Cidade Perdida de Z. Acho que foi o que derrubou o filme. Norte-americano baba pela realeza inglesa e a pia batismal do mítico Arthur no puteiro deve ter sido demais para eles. Achei Valerian bem simpático e os ruins, ruins mesmo, para mim, foram A Múmia, o pior filme de Tom Cruise, sem pé nem cabeça, Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar, um jogo duro entre Johnny Depp e Javier Bardem, cada um querendo ser canastrão que o outro (e conseguindo), e Alien Covenant, em que Ridley Scott derruba a franquia que criou. Enfim, ainda há esperança. Liga da Justiça, de novo com a Mulher Maravilha e mais o Batman e o Superman, e Star Wars – O Último Jedi estreiam mais para o fim do ano com a promessa de arrebentar. Quero falar mais sobre super-heróis e bilheteria. Há um artigo bem interessante em Film Comment. Agora tenho de ir à cabine do Assassino.