Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » O Segredo de Berlim

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

O Segredo de Berlim

Luiz Carlos Merten

24 Agosto 2007 | 13h34

Mais um lançamento de DVD e este é de um filme recente, que nem estreou nos cinemas. Desde Berlim já havia a suspeita de que a Warner iria lançar The Good German somente em DVD. O disco digital do novo filme de Steven Soderbergh, rebatizado como O Segredo de Berlim, já deve estar nas locadoras. Não gostei muito, aliás, não gostei nem um pouco quando vi na Berlinale, mas, enfim, é um filme do Soderbergh, tem George Clooney, Cate Blanchett e Toby Maguire, e não custa nada fazer a revisão. Soderbergh com certeza reviu O Terceiro Homem, de Carol Reed, cuja trama se passa em Viena, onde o escritor de pulps Joseph Cotten caça o misterioso Harry Lime (Orson Welles). O cara é um rato e a cena-chave daquele clássico é a do esgoto, uma metáfora da falta de ética de Harry e do novo mundo que ele representa. No filme de Soderbergh, Clooney faz um jornalista americano que se envolve numa trama de corrupção e violência em Berlim, logo após a derrocada do nazismo. Ele chega para cobrir a conferência em que os aliados estão ratificando os protocolos que levaram à divisão da cidade em setores. Isso é real e, na verdade, terminou por transformar Berlim num símbolo da Guerra Fria, radicalizado quando os soviéticos construíram o célebre muro, no começo dos anos 60. Na trama noir de Soderbergh, o nó górdio é a personalidade dúbia da heroína encarnada por Cate, a ex-amada que Clooney reencontra em meio aos escombros da guerra. É uma femme fatale para ninguém botar defeito. Clooney tem carisma, Cate é a boa atriz de sempre, mas o exercício de estilo, em impecável preto-e-branco para mesclar as cenas encenadas com material de época, indica que Soderbergh talvez estivesse querendo subverter, desde o interior, códigos do filme noir já estabelecidos no inconsciente dos cinéfilos. Não gostei muito de The Good German (já disse), mas não odiei o filme, como muitos coleguinhas que estavam em Berlim. Acho que Soderbergh exagera nas referências. Ele reviu também, com toda certeza, Casablanca – e a cena final do avião é a prova disso. Antes de ficar dizendo besteiras que depois me serão cobradas, prometo assistir de novo a The Good German, aliás, O Segredo de Berlim. em DVD, na locadora mais próxima de você.