Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » O nome é… Sacha Guitry

Cultura

Luiz Carlos Merten

10 Março 2009 | 10h25

Mário Kawai diz que não conseguiu identificar dois filmes na lista dos cem mais belos de todos os tempos. Um deles é ‘O Romance de Um Trapaceiro’ e o outro, ‘Sel Sol’. Sobre o segundo, revisei a lista e não encontrei nada aproxcimado. Tem de nhaver algum werro, de digitação ou o quê, mas o primeiro é o célebre ‘Le Roman d’Un Tricheur’, de Sacha Guitry, de 1936, com o próprio diretor e Marguerite Moreno. Guitry, ator e autort de teatro e cinema, foi muitas vezes acusado de pedantismo e de fazer teatro filmado, mas, como diz, nosso mestre Jean Tulard em seu ‘Dicionário de Cinema’, basta ver justamente ‘O Romance de Um Trapaceiro’ para confirmar que ele é um dos maiores realizadores do cinema francês. Quando ele morreu, em 1957, a nouvelle vague estava surgindo e Guitry foi relegado ao esquecimento, do qual foi resgatado pelo próprio Truffaut, que apreciava sua finesse. Peguei no ‘Reflet Médicis’, cineminha do Quartier Latin, o programa do ciclo ‘Les 100 Plus Beaux Films de l’Histoire du Cinéma’, que vai até julho, numa parceria de ‘Cahiers du Cinéma’, ‘Figaro Scope’ e ‘Alloncine.com’, com apoio da Mairie de Paris. Vejam o que diz sobre o clássico de Guitry – ’40 anos da vida de um homem, para o qual suas más ações trazem seomente a felicidade. O autor denuncia com ironia as injustiças de uma sociedade na qual vive muito bem.’ Não parece o máximo?