Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » O motorista de Glauber

Cultura

Luiz Carlos Merten

19 Novembro 2007 | 14h03

Jotabê Medeiros chegou de Portugal, onde foi visitar os palcos do Rock in Rio, que vai se chamar assim mesmo na terra de Manoel de Oliveira. Parece piada de português. ‘Vou ao Rock in Rio em Portugal’. Se ainda fosse no Tejo… Jota estasva em Lisboa quando soube, pela imprensa, que José Saramago ia ter um encontro com jornalistas em Mafra, próximo a Cintra, e se mandou. No final, não teve Saramago, coisa nenhuma, porque o cara não estava bem, mas o Jota descobriu uma coisa sensacional. Ele estava na estrada, num ponto de ônibus que não vinha. Do outro lado da rua, havia um táxi parado. Jota atravessou a rua e foi se informar sobre o ônibus para Mafra. O motorista, um velhinho falastrão, deu-lhe todas as informações e acrescentou, ao perceber que Jota é brasileiro, que havia trabalhado muito com um diretor do Brasil, que viveu em Cintra. Quem? Glauber Rocha, claro. O velho motorista, que se chama Carlos Costa, contou histórias que eu nunca ouvi – nestes 300 livros que se escreveram sobre Glauber -, incluindo algumas sobre a mulher do diretor, Paula Gaetán, que fez um belo documentário, ‘Diário de Cintra’, justamente sobre aquela fase, e os dois filhos do casal, Erik e Ava. Sensacional! Espero ter convencido o Jota de que isso vale uma matéria, uma linda capa – exclusiva – do ‘Caderno 2’. Em todo caso, Jota já acrescentou um post sobre o assunto no blog dele, aqui no ‘Estado’.