Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » ‘O Concerto’

Cultura

Luiz Carlos Merten

13 Maio 2012 | 12h59

Mauro Brider e Pereira me pedem que comente, o primeiro o cinema de George Sidney – de quem ele reviu ‘Os Três Mosqueteiros’ – e o segundo o lançamento em DVD de ‘Os Deuses Malditos’, pela Versátil. Aguardem só mais um pouquinho. Estou na Redação do ‘Estado’ e acabo de fazer os filmes na TV de amanhã. Procurando destaques na TV paga, encontrei ‘A Honra do Poderoso Prizzi’ e ‘O Concerto’. Acho bem legal o trhriller de humor negro que John Huston adaptou de Richard Condon e que foi seu penúltimo filme, em 1985. Ele ainda teve tempo de fazer ‘Os Vivos e os Mortos’, baseado no relato de James Joyce de ‘Os Dublinenses’, e morreu em 1987. ‘Prizzi’! Em 1969, Huston fez ‘Caminhando com o Amor e a Morte’ e, até onde me lembro, o filme em formato de auto medieval ressentia-se de uma das duplas mais sem graça que o cinema já reuniu – a jovem filha do diretor, Anjelica Huston, e o filho de Moshe Dayan, o herói israelense da guerra de 1967, Assaf. Quem viu Anjelica Huston naquele filme jamais poderia antecipar a extraordinária atriz em que ela se transformou e que em ‘Prizzi’, de novo dirigida pelo pai, ganhou o Oscar de coadjuvante. Mesmo guardando uma lembrança muito ruim dos dois atores, ‘Caminhando’ é um filme que me intriga. Alguma coisa ficou no meu imaginário, a visão ‘diferente’ da Idade Média, talvez, alguma coisa entre ‘O Sétimo Selo’, de Ingmar Bergman, e ‘O Senhor da Guerra’, de Franklin Schaffner, e por isso mesmo é um filme que gostaria de rever. Leon Cakoff adorava ‘Trem da Vida’ e tinha o maior respeito por Radu Mihaileanu. Sempre empaco na hora de escrever o nome do diretor, se termina com U ou OU (como o Raoul de Ruiz). Fui fazer uma pesquisa sobre ‘O Concerto’ na internet e vi que estava disponível, no YouTube, o grand finale, o concerto para violino de Tchaikovsky, com Mélanie Thiérry como solista. É um clipe de 12 minutos, de uma beleza de cortar o fôlego e no qual reluz a estrela de Quentin Tarantino em ‘Bastardos Inglórios’. Confesso que vi e revi o clipe de ‘O Concerto’. Tão bonito. Recomendo que o vejam, também. E agora, sim, posso atender a Pereira e ao Mauro. No próximo post.