Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Ó céus!

Cultura

Luiz Carlos Merten

01 Janeiro 2009 | 11h46

Fechamos mal o 2008. Eu fechei. De onde eu tirei que Spielberg dirigia ‘Walkyrie’? Sabia que era o Bryan Singer e, na verdade, minha curiosidasde – imensa – pelo novo filme do Tom Cruise está ligada a uma informação que colhi na biografia não autorizada do astro (além da excitação que me produziu o trailer). O autor retrata o Cruise como megalô, louco de carteirinha, fanatizado pela tal igreja que frequenta, a cientologia. Conta que é na Alemanha que a cientologia é mais contestada – e tem o maior número de processos, coisa assim. A idéia de fazer de Tom Cruise um salvador do povo alemão – o homem que tentou matar Hitler – estaria, ou está, ligada à necessidade de limpar a barra da igreja (ou será seita?). Afinal, Cruise e cientologia são a mesma coisa. Ele é garoto-propaganda e o filme pode ser uma operação calculada de mistificação. A questão é – como e por que Singer caiu nesta? Ele é cientologista, também? Sabia, também, de haver lido em algum lugar, que Spielberg queria filmar a vida de Lincoln com seu ator de ‘A Lista de Schindler’, Liam Neeson. Pode dar samba. De um lado representa o retorno do autor a um de seus filmes de que gosto – ‘Amistad’, onde o discurso de John Adams (Anthony Hopkins), no tribunal, é a afirmação dos princípios sagrados de convivência e tolerância da América em suas origens, como país de imigrantes. Também tenho, para mim, que se trata de um tributo de Spielberg ao Homero de Hollywood, que filmou a mocidade de Lincoln, com Henry Fonda, em 1939 – o ano de ‘No Tempo das Diligências’ (Stagecoach). O amor de Spielberg por John Ford remonta à citação que ele faz de ‘Depois do Vendaval’ – a cena do beijo entre John Wayne e Maureen O’Hara – em ‘E.T.’ E já que entrei nessa de errata – meu Deus! Continuo penalizando o cinema francês. E não é que ‘também’ me esqueci de Nicolas Klotz, ‘A Questão Humana’? Deste jeito, vou ter de acrescentar mais um título à minha lista de seis, de ontem, e o cinema francês terá ditado as cartas em 2008. Para não correr o risco de ficar esquecendo, acho que vou fazer como Rubens Ewald Filho e anotar os lançamentos do ano que se inicia hoje, para evitar novos embaraços no fim de 2009. De coração novo, acho que chego lá! O que não tenho paciência é de ficar pesquisando nesses sites que vocês me apontaram.