Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » O amor que não deu certo

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

O amor que não deu certo

Luiz Carlos Merten

18 Abril 2008 | 17h46

Comprei este livro de uma dupla que desconhecia – Dominique Maine e James Ursini – pelo título e, confesso, pela colagem das fotos na capa, com filmes que admiro, como o ‘Drácula’ de Coppola e a ‘Cleópatra’ de Mankiewicz e Liz Taylor, entre muitos outros títulos que agora me escapam. ‘Cinema of Obsession’ tem o subtítulo de ‘Erotic Fixation and Love Gone Wrong in Movies’, o que, traduzido, dá ‘Cinema de Obsessão, ou Fixação Erótica e o Amor Que não Deu Certo nos Filmes’. O livro tem um texto de abertura, contextualizando o tema, e depois divide-se em capítulos com títulos sugestivos. Cada um contém verbetes de filmes agrupados pelo assunto -‘Amour Fou’ (em francês), ‘Love in the Run’, ‘Voyeurism’, ‘The Table Turned – The Female Glaze’, mais um epílogo que analisa as raízes literárias e psicanalíticas do amor louco. Doutor Freud é citado a toda hora no livro e eu devorei, até porque Charlton Heston havia morrido um ou dois dias antes que eu encontrasse o tal livro, os verbetes sobre filmes que me são caros, como ‘Ruby Gentry’, com Jennifer Jones e o grande Chalton, mais outro filme com Jennifer, também de King Vidor e agora com Gregory Peck e Joseph Cotten, ‘Duelo ao Sol’. O que vocês procurarem estará lá, em diferentes verbetes, de ‘Laura’ a ‘Atração Fatal’, de ‘Curva do Destino’ (Detour) e ‘Fuga ao Passado’, de ‘Carmen Jones’ a ‘Cleópatra’, de ‘Drácula’ (de Coppola) a ‘Amar Foi Minha Ruína’. Sensacional! (Ia falar nas fotos, mas me calo, porque senão vocês ficam me cobrando fotos aqui no blog, o único que fala de cinema sem recorrer a imagens, exceto as que povoam nosso imaginário e podem ser descritas sem necessidade de dez mil palavras, porque todo mundo sabe quais são. He-he.) Já desisti de fazer enquetes com vocês e, quando faço, a resposta é tão reduzida que até duvido de que alguém leia o blog. Mas seria legal se vocês comentassem quais são seus filmes obsessivos favoritos, e até que os vocês acham que se enquadram nos títulos dos capítulos contidos no livro de Dominique e Ursini, Concordando ou não, eu teria muito material para postar. Só como curiosidade. Os autores põem nas nuvens um cineasta russo de que nunca ouvi falar. Dizem que ele é ‘o’ mestre deste tipo de cinema. Yegven Bauer. Quem é? Vocês conhecem? Iluminem-me, por favor.