Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Novos talentos

Cultura

Luiz Carlos Merten

30 Outubro 2006 | 11h50

Passei ontem no Hotel Crowne Plaza, onde a Mostra está lotada, para confirmar a entrevista com Florinda Bolkan, que vou fazer hoje. Enquanto esperava, comecei a olhar o material jogado sobre uma mesa e me chamou a atenção o de um filme chamado American Combatant. Peguei para ler, descobri que revisita, na perspectiva de hoje, o ataque ao World Trade Center de 1987. Achei legal e continuei com o papel na mão, para me informar sobre novas datas de exibição. Um sujeito bateu no meu ombro e se apresentou. Disse que era o diretor do filme, Charles Libin. Batemos um papo e o Libin me pareceu muito interessante. Explicou que o filme retoma, como linguagem, outra experiência dele, de 1988, The Distribution of Lead, um neo noir que cria uma vertigem de flash-backs, um se abrindo no outro. Achei intrigante e me deu mais vontade de ver American Combatant. O problema é que o Libin, que estava aqui desde o começo da Mostra, conversou comigo e foi para o aeroporto. Regressou ontem mesmo aos EUA. O filme passa quarta no Arteplex, às 22h10, e quinta, no Centro Cultural São Paulo, às 20 horas. Ele deixou telefone, e-mail para a gente discutir o filme, depois que o vir. Mas admitiu que estava um pouco frustrado. Achou que havia mais intercâmbio com o público, mais debate de opiniões na Mostra.Seu filme passou só uma vez, embora estivesse na competição de novos diretores. Devia ter feito como a diretora de Réquiem para Billy the Kid, Anne Feinsilber, que eu também descobri somente ontem que está aqui. Havia elogiado o filme dela aqui no blog, mas cometi um erro- Réquiem foi produzido pelo Beinex e não pelo Luc Besson. Faz uma diferença e tanto. Beineix, o neobarroco de Sangue Ruim e Os Amantes do Pont Neuf, também é odiado pela crítica na França, mas menos que o Besson. Anne viaja hoje à noite para Paris, ainda quero ver se me encontro com ela à tarde. E o que ela fez, que o Libin também devia ter feito, foi o seguinte – ontem, às 21h40, ocorreu a última exibição do filme, no Reserva Cultural 2. Anne apresentou a sessão e ficou até o fim para debater o trabalho dela com quem quisesse. Ou seja, como candidato atrás de eleitor, Anne partiu para o corpo-a-corpo atrás do cinéfilo.