Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Noitão!

Cultura

Luiz Carlos Merten

13 Outubro 2006 | 09h07

A uma semana do início da 30ª Mostra Internacional de Cinema São Paulo, o Noitão do HSBC Belas Artes homenageia hoje o evento criado por Leon Cakoff em 1977. A partir da meia-noite, todas as salas daquele espaço estarão exibindo filmes que fizeram história na Mostra. Cada um será exibido numa sala e, dependendo da duração, serão duas, três e até quatro sessões para que você possa montar seu programa, podendo também passar de uma sala para outra. São filmes como Malpertius, de Harry Kumel, que virou cult; Felicidade, de Todd Solondz; Denise Está Chamando, de Hal Salwen; Festa de Família, de Thomas Vinterberg; Amores Brutos, de Alejandro González-iñárritu; e o filme-surpresa, que é de Wim Wenders, tendo demorado para estrear em São Paulo, mas, quando o fez, ficou acho que anos em cartaz, pipocando em salas de arte. A Mostra deste ano apresenta outro filme de iñárritu, Babel, que é impressionante, mas tenho a impressão de que exibe, mais que os precedentes (Amores Brutos e 21 Gramas), o artifício dramático que ele gosta de armar para contar suas múltiplas histórias. Quando Hal Salwen fez Denise, o celular ainda não estava tão difundido quanto hoje, mas a história desses nova-iorquinos que preferem se comunicar pelo telefone a se encontrar era premonitória do que virou este louco mundo em que vivemos. As pessoas falam ao celular no metrô, no restaurante, no elevador, no meio da rua, no banheiro, até no cinema e agora tem também o Messenger. Eta, nóis. O ponto de Salwen é que, quanto mais facilidade de comunicação, menos as pessoas se comunicam de verdade. O que você pensa disso? E tem também Malpertius, que o maldito Harry Kumel, especialista em fantástico, adaptou do romance de Jean Ray sobre os deuses da mitologia grega que são agrupados nesta casa estranha, onde sua vida depende da fé que os homens ainda depositam neles. Orson Welles faz o meneur du jeu, uma espécie de mago (ou de Zeus) que ata os fios da narrativa e da vida dos bizarros personagens, interpretados por Susan Hampshire, Jean-Pierre Cassel, Mathieu Carrière, Michel Bouquet e outros. O Noitão promete.