Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » New Orleans, depois do Katrina

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

New Orleans, depois do Katrina

Luiz Carlos Merten

07 Fevereiro 2009 | 13h36

BERLIM – O festival começou a tomar jeito com o segundo filme da competicao, exibido ontem pela manha. Lille Soldier – Lille quer dizer Little -, da dinamarquesa Annette K. Olsen, pode nao ser muito bom, mas eh interessante e trata de questoes – a responsabilidade individual, a contribuicao de cada um no complexo movim,ento para mudar o mundo – que parece que vai dar a tonica dessa programaçao. O belo filme de Stephen Daldry, mesmo fora de concurso, jah avançava nessa direçao. As coisas clarificaram-se mais ainda com In the Electric Mist, filme norte-americano do frances Bertrand Tavernier, adaptado de um romance do escritor noir Burke. Tommy Lee Jones faz o xerife de New Orleans que investiga o brutal assassino de uma garota. Em sua investigaçao, ele se choca com o poderoso local, que esta investindo na produçao ciematografica (e um filme esta sendo rodado no local). O titulo original do livro eh In the Electric Mist of Confederate Dead e Jones tem alucinaçºoes durante as quais conversa com um autentico general confederado. O ponto do filme que, em Louisiana, os vivos sao cada vez mais governados pelos mortos, coisa que ja estava no romance de 1990, mas que Tavernier atualizou trazendo a açao para depois do Katrina, de forma a discutir a corrupçao que as verbas federais fizeram proliferar na area atingida pelo furacao, sem que nada realmente tenha sido feito para reconstruir a regiao. Burke tem sua tese – o empobrecimento de New Orleans nao eh so consequencia do Katrina, mas e o reflexo do que poderia ocorrer com os EUA e o mundo se a camararilha de Bush Jr. tivesse continuado no poder. Tavernier nao poupa elogios a Tommy Lee Jones, dizendo que o ator foi fundo no papel e ajudou a reescrever cenas e dialogos. Tavernier acrescenta que Jones possui uma persiona tao forte que nao precisa ser dirigido. Olhando no filme tive uma impressao muito subjetiva – Jones, ao envelhecer, desenvolveu um daqueles rostos de pedra, cheios de rugosidades, que caracterizavam os astros mitricos dos anos de ouro de Hollywood. John Wayne, Gary Cooper, James Stewart etc. Gostei muito do filme que ja tem distribuiçao assegurada no Brasil, acho que pela California. Aguardem que vai valer a pena.

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Encontrou algum erro? Entre em contato