Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Não deu, Demóstenes!

Cultura

Luiz Carlos Merten

19 Abril 2009 | 12h28

Havia escrito, há bastante tempo, um post sobre a segunda Terra, a partir da ficção científica ‘Odisséia para Além do sol’, que Robert Parrish realizou em 1971, com Roy Thinnes, astro da série de TV ‘Os Invasores’. Parrish havia sido montador e/ou assistente em filmes de John Ford. Passando à direção no começo dos anos 50, fez dois westerns pelos quais a crítica francesa – leia-se ‘Cahiers du Cinéma’ – babava, ‘Irmão Contra Irmão’ e ‘Terra Maravilhosa’. Mais tarde, ele voltou ao gênero, mas na Europa, fazendo um ‘spaghetti’ cultuado e que muitas gente chega a considerar melhor do que os de Sergio Leone, ‘Uma Cidade Chamada Bastardo’, com Robert Shaw e Stella Stevens. Vou viajar na maionese. ”A Town Called Bastard’ foi feito depois de ‘Odisséia para Além do Sol’, acho que em 1972. Dois anos antes, Stella havia feito ‘A Morte não Manda Recado’ (The Ballad of Cable Hogue), de Sam Peckinpah. Stella era maravilhosa. Atriz de Jerry Lewis (‘O Professor Aloprado’) e Vincente Minnelli (‘Papai Precisa Casar’), ela surgiu no cinema norte-americano num momento de transição, quando se encerrava a era dos astros e estrelas contratados pelos grandes estúdios. Suzanne Pleshette enfrentou o mesmo problema. Um pouco antes e ambas teriam tido carreiras gloriosas. Eram lindas e talentosas. Na nova Hollywood, seguiram carreiras erráticas. Mas estou me deviando do assunto do post. ‘Odisséia para Além do Sol’ parte do princípio de que, do outro lado do Sol, rebatido como num espelho, existe um outro sistema solar e uma outra Terra. Demóstenes havia me mandado esse e-mail avisando que o filme passava sexta, dia 17, no TCM. Sorry, mas vi somente hoje. Fui checar na revista da Net se havia outra sessão, mas não. Foi só na sexta, pelo menos este mês. ‘Odisséia para Além do Sol’ surgiu após ‘2001’, de Kubrick, precedendo ‘Solaris’, de Tarkovski. Ou seja, numa época em que a ficção científica ganhava um novo status no cinema. Jean Tulard define o filme como ‘inteligente’. Teria sido interessante (re)ver para formar uma opinião definitiva.