Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Na estrada…

Cultura

Luiz Carlos Merten

06 Julho 2012 | 11h32

Entrevistei Walter Salles no começo da semana, por conta da próxima estreia – dia 13 – de ‘Na Estrada’. Em Cannes, já tivéramos – nós, a imprensa brasileira – um encontro com  o diretor para discutir sua adaptação do livro cult de Jack Kerouac. Desta vez, centrei fogo no que não havia abordado – o homoerotismo, com as cenas do triângulo formado por Dean, Sal e Marylou ( e os dois caras ficam a um milímetro de trocar um beijo na cama) e a outra, mais perturbadora ainda, do olhar (de inveja?) de Sal quando vê o Dean mandando ver no personagem de Steve Buscemi. Gosto demais do filme e do elenco, especialmente do Garret Hedlund, que faz um Dean comme il faut, vestindo a pele da sedução física e da moralidade dúbia (tolerante?) que o personagem criou para si mesmo. Garret é a alma de ‘On the Road’ e o eco final, quando o narrador, Sal, repete seu nome (Dean Moriarty, Dean Moriarty, Dean Moriarty…) me tocou, e dilacerou, de uma forma muito intensa. Aqueles caras não são gays, estavam transgredindo e o filme passa isso – a traição da amizade – como uma coisa dolorosa. Realmente, não entendo essa gente que acha o filme muito bonito, muito limpinho, mas sem alma. Vou devanear um pouco. Fui rever ‘O Deus da Carnificina’,. de Roman Polanski, e não posso deixar de constatar que, assim como Walter Salles se deixou possuir por Dean/Hedlund, Polanski não consegue evitar e se identifica com Christopher Waltz no seu desprezo pelos valores classe média do casal formado por Jodie Foster e John C. Reilly. Esse vira o grande saco de pancada do filme, muito mais do que em qualquer montagem que tenha visto da peça de Yasmina Reza (em Paris e São Paulo). De volta à conversa com Walter, ela evoluiu depois para filmes (e autores) que amamos. Kore-eda, Nuri Bilge Ceylan – ele acha ‘Era Uma Vez na Anatólia’ a prova definitiva de que o turco é um grande, imenso diretor – e Jia Zhang-ke. Walter lembrou que, em São Paulo, como integrante do júri da Mostra, teve a chance de conviver por uma semana com Jia. Conversaram muito (sobre cinema, mas não apenas) e o autor brasileiro guarda desde então um projeto que, espero, venha a realizar. Um livro,  e algo mais, sobre Jia. Walter fala em ir à China para retomar/aprofundar a entrevista e, pelo que entendi, fazer um documentário. Lembro isso porque estreia hoje, com o ‘Homem-Aranha’, o documentário de Jia sobre Xangai. É a nossa capa do ‘Caderno 2’ de hoje. O ‘amazing’, realmente espetacular Spider-Man, é estreia de massa (e eu gostei bastante do filme de Marc Webber), mas não descuido do Jia nem do seu filme cabeça, que reinterpreta a história da China (e seu cinema). Não me cobrem por que, mas estou me sentindo eufórico. Devem ser os filmes bons, que me deixam para cima.

Encontrou algum erro? Entre em contato