Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Na Croisette

Cultura

root

15 Maio 2009 | 12h58

– Os cinéfilos de carteirinha vão amar saber que a joint Bavaria Media e Bavaria Film International, após restaurar Berlim Alexanderplatz para lançar em DVD o clássico (monumental, e não apenas por sua duração) de Rainer Werner Fassbinder, vai fazer agora a mesma coisa com Deep End, de Jerzy Skolimowski, que passou no Brasil como Ato Final. Skolimowski, na época chamado de ‘Godard polonês’, fez o filme na Inglaterra, com Diana Dors, a Marilyn Monroe inglesa, contando a história de um adolescente.

– Helena Ignez está aqui em Cannes para mostrar hoje no mercado A Canção de Baal. Num breve encontro com o repórter na entrada do palais, a diretora, que trabaklha atualmente na montagem do novo Bandido da Luz Vermelha, disse que o filme que realizou a partir do roteiro de Rogério Sganzerla, com Nei Matogrosso, “está lindo”.

– Martin Scorsese (leia mais sobre ele no texto principal) anunciou ontem que sua sonhada cinebiografia de ‘Dino’, Dean Martin, sofreu uma alteraçãso de percurso. Ele faz contar agora a vida de Frank Sinatra, da qual Dino é um coadjuvante importante. O elenco ainda não está escolhido.

– A imprensa ‘feminina’ até agora não se recuperou do choque. Integrante do júri, Robin Wright Penn – Sean Penn e ela estão pela terceira vez se separando – estava tão deslumbrante na cerimônia de abertura que muitos especialistas afirmam que, há tempos, Cannes não via uma mistura tão granmde elegância e glamour. Robin vestia uma robe rosa de lamê de cena assinada por Elie Saab. Os sapatos eram de Jimmy Shoo.

– Com pouca representação de Hollywood, o 62º festival estás estendendo o tapete para Bollywood. Não apenas a indiana Sharmila Tagore III integra o júri presidido por Isabelle Huppert como na quinta à noite o casal 20 do cinema da Índia, Abishek Bachchan e Ayshwanya Rai, fez o que se pode considerar uma subida real na escadaria do palais.

– Espera um pouco. Aquele lá não é Jerry Lewis? O vencedor do Oscar especial deste ano – por sua atividade humanitária, não como o grande artista que é – está aqui para anunciar que volta ao cinema num papel dramático em Max Rose, que Daniel Noha vai realizar.