Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Na Capela Sistina

Cultura

Luiz Carlos Merten

05 Maio 2009 | 18h44

ROMA – Sigo hoje no final da tarde para Paris, onde permaneço por mais uma semana, à espera de Cannes. Em Paris, ocorre atualmente o Festival do Cinema Brasileiro, um evento que já vai se tornando tradicional. O deste ano homenageia os 50 anos da bossa nova, com direito a show de Adriana Calcanhoto (que não sei quando será realizado). Ontem pela manhã, retornei ao Vaticano. Há muito tempo, quando ainda fazia a cobertura do Festival de Veneza para o ‘Estado’, parei em Roma por uma noite ou duas e fui à basílica de São Pedro. Visitei a igreja, propriamente dita, com o baldaquino, a Pietà e o Moisés. Não visitei os museus do Vaticano. Fui ontem à Capela Sistina. Havia gente pelo ladrão, o que fazia com que fôssemos empurrados por uma autêntica massa humana. Ponho no plural porque estava acompanhado de duas colegas jornalistas brasileiras, a Lúcia, da ‘Folha’, com quem já compartilhara a visita ao set de ‘Quantum of Solace’, no Chile, e a Patrícia, do ‘Globo’. Quando chegamos à capela, não importava a multidão. Sentei-me a olhar para a criação do mundo, o momento mágico em que Deus cria o homem à sua imagem e semelhança, os dedos se tocam, ou quase tocam. Tive, diante de Michelangelo, a mesma reação que experimentei perante os girassóis de Van Gogh, quando os vi pela primeira vez, numa exposição no MoMa. Posso ser um babaca, mas as lágrimas vieram, espontâneas. Como não? Aquilo é uma das supremas manifestações do gênio humano. Como não se emocionar com Michelangelo? Com a emoção, vieram as lembranças. Lá por meados dos anos 60, Carol Reed, já em fim de carreira, fez ‘A Agonia e o Êxtase’, sobre o embate entre Michelangelo e o papa Júlio II, que o contrata para decorar a Capela Sistina. Não tenho uma idéia muito clara do filme, embora os personagens fossem interpretados por duas figuras carismáticas como Charlton Heston (o pintor) e Rex Harrison (o papa). Lembro-me das pinturas, magnificamente fotografadas, acho que por Leon Shamroy. Não adianta, o cinema faz sempre parte das minhas lembranças.