As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mostra (6)/E O Beijo, hein?

Luiz Carlos Merten

28 Outubro 2017 | 09h53

Tenho de me desculpar comigo mesmo. Maluco! No outro dia fiz, para o impresso, um texto sobre os brasileiros do dia na Mostra. Queria falar sobre Arábia e aí fui desenrolando o texto e só quando já estava no táxi, a caminho do cinema, dei-me conta de que havia me esquecido do filme de Affonso Uchoa e João Dumans. Arábia cada vez mais se impõe, no meu imaginário, como uma das mais belas experiências recentes que tive no cinema – e não somente no brasileiro. O filme integra a Mostra Brasil, e portanto não estava na competição de novos diretores. Ficou fora dos mais votados do público, que vão concorrer ao troféu Bandeira Paulista. Dois brasileiros integram a competição – O Beijo, que Murilo Benício adaptou da peça de Nelson Rodrigues, O Beijo no Asfalto, e Meu Tio e o Joelho de Porco, de Rafael Terpins. Confesso que, tendo entrevistado Murilo há algum tempo – e ele me falou com tanto entusiasmo do projeto -, queria muito ver O Beijo, mas não adianta. Certos filmes encantam. Ontem, também queria muito ver Berenice Procura, cujo set visitei, mas ainda estava preso, dez da noite, no jornal. Allan Fiterman dirige e, por conta da história – a investigação sobre o assassinato de uma trans -, cheguei a pensar, quando soube que era um dos realizadores de A Força do Querer, que poderia ser o responsável pelo núcleo da trans da novelas de Gloria Perez. Mas entrevistei o diretor geral Pedro Vasconcelos, que também dirige a nova Dona Flor, e ele me contou que todo mundo dirigia tudo, mas que o Allan deu tão certo nas cenas de morro que terminou virando, o que é raro, ‘o’ diretor da favela. Sigo muito curioso para ver o Berenice. Terei mais duas oportunidades na Mostra, mas na terça acho que viajo. De qualquer maneira, falei com a produtora Elisa Tolomelli e ela já me disse que o filme estará no Mix Brasil. A propósito, não sei se já noticiaram, mas desde o Festival do Rio estou sabendo que o Mix deste ano homenageia Gus Van Sant, com direito a retrospectiva e tudo.