Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Milla é luz!

Cultura

Luiz Carlos Merten

19 Setembro 2007 | 19h36

Já contei a vocês que fui a Los Angeles para entrevistar Milla Jovovich, na semana passada, pelo filme Resident Evil – Extinção, que estréia dia 5 de outubro. Não posso falar sobre o fecho da trilogia criada por Paul Anderson – o diretor agora é Russell Mulcahy, de Highlander 1 e 2 –, porque existe um embargo até dia 22, após a estréia americana do filme, na sexta. Mas uma coisa eu adorei, e foi a própria Milla. Que mulher mais linda! Em primeiro lugar, tomei um susto. Entrou aquela mulher gravidíssima, caminhando com dificuldade, quase em câmera lenta. Milla está no sétimo mês de gravidez. Ela brincou que talvez não seja boa publicidade para um filme de ação uma atriz tão grávida, com uma barriga impossível de esconder. O bebê nasce em 4 de novembro. Milla conta com toda naturalidade – estava terminando com Paul Anderson quando descobriu, em plena rodagem de Resident Evil 3, que estava grávida. Voltaram e agora ela só espera que ele termine o novo filme para chegar a tempo de assistir ao parto. No terceiro da série, Milla faz as maiores piruetas e consegue ter ainda mais ação física do que nos dois filmes precedentes. Não vou falar de Resident evil 3. Quero insistir na Milla. Seria meio indecente ficar comentando os seios de uma grávida, mas o que é aquele sorriso, e aquela boca, e aquele olhar? Comentei que, no filme, a pele dela parece uma fonte de emissão de luz. Milla brilha, literalmente, sem perder sua essência carnal. Ela disse que esses técnicos de cinema fazem coisas impossíveis. Melhoram muito a gente. A gente? A Milla, com certeza, embora ali não exista o que melhorar. O material já é de primeira. Confesso que me excedi e peguei pesado. Disse, assim, sem pensar, que se ela me dissesse que o cameraman era o pai de seu filho eu acreditaria, pois nunca vi câmera mais apaixonada. Ela achou engraçado. Se fosse outra, talvez tivesse ficado ofendida, ou indignada. Milla disse certa vez que não gostaria de criar seus filhos em Los Angeles. Ela pretende ir-se embora, voltar à Europa, talvez? “Não, nossa casa é tão acolhedora”, ela respondeu, colocando as coisas (Paul e ela, com certeza) no plural. Para concluir – o que levou a top, melhor do que qualquer outra coleguinha de passarela a virar atriz – a encarar a Alice de Resident Evil? Seu irmão menor é louco pelo game. Se não fizesse o filme, Milla acha que ele teria uma decepção tão grande que nunca mais falaria com ela.