Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » ‘Mamma Mia!’

Cultura

Luiz Carlos Merten

19 Dezembro 2010 | 12h49

Fui ver com a Lúcia, minha filha, o musical ‘Mamma Mia!’ na sexta à noite. Já contei aqui o que virou a piada de meu colega Ubiratan Brasil. Quando vi o filme com Meryl Streep, fui de surpresa em surpresa, porque simplesmente não conhecia a banda sueca, muito menos seus standards. O Bira me perguntou em que planeta eu vivia nos anos 1970/80? Respondi que, naquela época, trilhava a América Latina com minha ex-mulher, a Dóris, e o Bira sentenciou – ‘Ah, tu eras o que a Maria do Rosário (Caetano, mulher de Luiz Zanin Oricchio) é hoje’. Quá-quá. Isso posto gostei do filme e achei que valeria ver o que a dupla Moeller/Botelho fez com a franquia. Gostei médio. Na verdade, gostei de duas coisas – a funcionalidade do cenário, com aqueles dois blocos que, ao se deslocar, ora formam uma praça, um interior (quarto) e até viram representação da aldeia grega inteira. Muito bacana. Isso foi uma coisa. A outra foi a melhor cena para mim, a despedida de solteiro, com os caras em roupa de mergulhar e pés de pato, o que me trouxe à lembrança o Dustin Hoffman isolado no fundo da piscina em ‘A Primeira Noite de Um Homem’, de Mike Nichols, com ‘The Sound of Silence’, de Simon e Garfunkel de fundo. Não tem nada a ver com a atriz em si – ela canta bem -, mas, sorry, não conseguiu engolir a protagonista, que faz Donna. Além de Meryl Streep ter marcado demais no papel, em vez de Meryl tinha a impressão de estar vendo Rosanna Arquette no palco. Ela é muito nova, parece irmã da filha. Mas valeu – em parte. ‘Mama Mia!’ virou um cult internacional e o filme arrebentou nas bilheterias porque já é um clássico daquilo que os americanos chamam de ‘feel good’. O astral da peça, como o do filme, é alto, mas a narrativa, claramente, está melhor resolvida no cinema. As canções dubladas perdem  a força até para os tietes. Quando entra, em inglês, ‘Dancing Queen’ no desfecho foi uma apoteose. A galera soltou a franga legal. Teve gente que fez sua balada ali mesmo.