Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Macarronada

Cultura

Luiz Carlos Merten

28 Julho 2008 | 18h56

Estou tendo um dia bem agitado nesta segunda-feira. Pela manhã, vim ao jornal redigir os filmes na TV e corri ao CineSesc para a sessão de imprensa de ‘A Encarnação do Demônio’. Contra todas as minhas expectativas – e as do produtor e montador Paulo Sacramento, que em Paulínia me havia dito que o filme não era a minha praia -, gostei do novo Mojica Marins. Estou até disposto a defender o filme com unhas – o reforço das do Mojica, bem grandes, ajudariam bastante – e dentes, num eventual Gostei/Não Gostei com o Zanin, meu colega Luiz Zanin Oricchio, caso ele venha se fazer necessário. Achei muito interessante a forma como Mojica conseguiu trazer seu personagem para a atualidade e a forma como ele integra a metrópole – São Paulo – ao relato. Conversei com o diretor e também com Milhem Cortaz e vamos ter assunto, com certeza. Vou contar agora um pequeno contratempo. Havia marcado para voltar ao jornal e almoçar, antes das entrevistas, e também tinha apontado de falar pelo telefone com Daniele Luchetti, o diretor de ‘Meu Irmão É Filho Único’, que estréia na sexta. O contratempo é que o meu carro não apareceu e eu tive de correr ao orelhão da esquina da Itu com a Augusta para falar com o Luchetti. Com todo aquele barulho de carros e ônibus para cima e para baixo, eu falava aos berros no meu italiano macarrônico com o diretor. Imagino que, para quem passasse, eu devesse estar parecendo maluco, mas, enfim, foi por uma boa causa. Adoro o filme que vi no ano passado, em Cannes, e acho que, apesar de tudo, fiz uma boa entrevista. Defini o filme para o diretor como uma mistura de ‘Rocco e Seus Irmãos’ e ‘A Melhor Juventude’ e terminamos falando bastante sobre Visconti, que Luchetti reconhece ser uma referência difícil de ignorar, para quem faz cinema na Itália. Suas preferências, na obra de Dom Luchino, vão para ‘La Terra Trema’ e ‘Rocco’. Luchetti me disse que não gosta muito dos filmes de época – ‘in costume’ – de Visconti, mas o ‘Rocco’… Acho que gostei ainda mais de ‘Meu Irmão’ depois de falar com ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato