Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » M. second rôle

Cultura

Luiz Carlos Merten

07 Junho 2011 | 10h47

Ouvi ontem nossa pauteira do ‘Caderno 2’, Eliana Souza, comentar com João Luiz Sampaio um e-mail que havia recebido do Zanin, sobre a morte de Maurice Garrel. Pai de Philippe Garrel e avô de Louis (o belo), Maurice iniciou uma linhagem do cinema e do teatro franceses. Ele próprio começou no teatro e só em 1959, já com 36 anos – nasceu em 1923 –, fez sua estreia no cinema. É preciso ser cinéfilo de carteirinha para saber quem é Maurice – sorry, mas não vou publicar a foto; procurem no Google –, mas, na verdade, ao longo de mais de 50 anos, ele deve ter feito uns cem filmes, o que o transforma num daqueles coadjuvantes que todo mundo sabe quem é, sem identificá-lo pelo nome. Maurice nunca descriminou e trabalhou em filmes de François Rozier, François Truffaut, Claude Chabrol, Pierre Kast, Jean-Gabriel Albicocco – ou seja, toda a turma da nouvelle vague –, da mesma forma como integrou o elenco de diretores de um perfil mais comercial (Jacques Deray, Pierre Gaspard Huit, Christian Jacque). Mas, sim, desde ‘Les Enfants Desacordés’, em 1964, ele deu o ar da graça em todos os filmes de seu filho Philippe. Preciso retificar – em todos tenho a impressão que não. Sou capaz de jurar que Maurice Garrel não está em ‘J’Entends Plus la Guitarre’, de 1991, que foi justamente o filme que tirou o cinema de Philippe do gueto, ao ser premiado em Berlim. Vieram depois ‘La Naissance de l’Amour’, ‘Le Coeur Phantôme’, ‘Os Amantes Constantes’, no qual fazia o avô de François. Maurice Garrel fez muito teatro com Laurent Terzieff. Este é outro que só os cinéfilos de carteirinha reconheçam, mas é um arraso como um dos ‘rapazes’ de ‘A Longa Noite de Loucuras’, de Mauro Bolognini, que acaba de sair em DVD (da Platina). Maurice Garrel ganhou duas vezes o César, o Oscar francês, de coadjuvante – do meilleur second rôle, como eles dizem –, por ‘La Discrète’, de Christian Vincent, em 1990, e ‘Reis e Rainha’, de Arnaud Desplechin, em 2004. Um de seus últimos papeis foi como o pai de ‘Actrices’, de Valeria Bruni Tedeschi, prima de Carla Bruni, mulher do presidente Nicolas Sarkozy, e mulher de Louis Garrel. Ou seja, muita coisa importante que Maurice Garrel fez foi em família. A maioria de seus papeis nos filmes do filho tem, inclusive, cunho autobiográfico. Se nasceu em 1923, Maurice morreu, vamos fazer as contas, bem velhinho, aos 88 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato