Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Literatura

Cultura

Luiz Carlos Merten

31 Março 2007 | 13h25

CIDADE DO MEXICO – Para que voces naoh fiquem com uma impressaoh taoh negativa da imprensa mexicana, vou acrescentar mais um post. Os jornais daqui deram muito espaco para o 4.o Congresso da Lingua, que se realizou em Cartagena, na Colombia. (Acho que tambem ternminou ontem). O que esteve em discussaoh ao longo da semana foi a lingua espanhola e sua presenca no mundo. Gabriel Garcia Marquez foi homenageado por causa de Cem Anos de Solidaoh. Grandes escritores foram aa Colombia para a homenagem. Politicos e estadistas, tambem. O rei Juan Carlos, da Espanha, e o ex-presidente Bill Clinton foram, em ambos os casos, beijar a maoh de Gabo e agradecer-lhe por sua obra monumental. (Naoh saoh como no Brasil, onde ele, por seu apoio a Fidel, ultimamente deu de ser atacado como autor. Naoh basta contestar suas ideias, eh preciso dizer que eh mau escritor, coisa mais ridicula, alem de desonesta.) Clinton confessou que leu Cem Anos de Solidaoh em ingles, mas sua filha o fez em espanhol. Acho que, um pouco por causa do Congresso, a imprensa tambem deu grande destaque a um novo projeto envolvendo Gael Garcia Bernal e literatura. O espanhol Mateo Gil vai adaptar Juan Paramo, romance de Juan Rulfo que eh considerado um classico da literatura latino-americana. O filme serah uma co-producao hiapano-portuguesa, com participacao de atores de Portugal e com direcao de arte de Eugenio Caballero, que acaba de ganhar o Oscar da categoria por O Labirinto do Fauno. Soh para lembrar – Pedro Paramo, sobre um homem que volta aa casa paterna e encontra um mundo morto, jah teve duas versoes na tela. Na primeira, nos anos 60, o galah americano John Gavin foi o interprete do papel e o filme, que nunca vi, era dirigido poor Carlos Velo. Este, eu conheño. Carlos Velo fez um documentario deslumbrante sobre tauromaquia. Chama-se Torero. Eh um dos grandes filmes sobre o assunto, incluindo outro documentario (Arruzza, de Budd Boetticher, grande diretor de westerns, de Hollywood) e um exemplar de cinema documentado de Francesco Rosi (O Momento da Verdade), mais as ficcoes de Almodovar, O Matador e Fale com Ela. O segundo Pedro Paramo da tela foi Manudel Ojeda, no filme de Joseh Bolados. A expectativa agora eh por Gal, que jah viveu outro grande personagem da literatura, o Padre Amaro, de Eca (leia Essa) de Queiroz.