As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

La Cumparsita/Si supieras…

Luiz Carlos Merten

19 Abril 2017 | 23h57

Espero que minha amiga e pauteira, Eliana Souza, não me considere traíra, mas ela me havia pedido um texto sobre o centenário de La Cumparsita para o Portal. La Cumparsita! Si supieras que aún dentro de mi alma/
Conservo aquel cariño que tuve para ti/
Quien sabe si supieras/
Que nunca te he olvidado/
Volviendo a tu pasado/
Te acordarás de mí…/
Ocorre que tive um dia muito movimentado, com a cabine de Os Guardiões da Galáxia – Volume 2 (amei!) e mais um monte de matérias para o Caderno 2 de amanhã, incluindo a entrevista que fiz com Fernando Coimbra, Um brasileiro no Iraque, por causa do filme dele (Sand Castle, Castelo de Areia), que estreia sexta na Netflix, e o texto sobre a coletiva de Paterson, em Cannes, no ano passado. Jim Jarmusch! Adam Driver! Estou procurando os outros nove, porque Paterson já tem lugar cativo entre meus dez melhores filmes deste ano. Mas, agora, quero falar de La Cumparsita, porque a meia noite está chegando e vou perder a data. É considerado o tango mais famoso e uma das músicas mais tocadas do mundo, como A Garota de Ipanema. Olha, que coisa mais linda, mais cheia de graça… O mais incrível é que, embora seja um tango, ritmo argentino por excelência, La Cumparsita é considerado o hino popular e cultural do Uruguai – por decreto -, porque o compositor Gerardo Hernán ‘Becho’ Matos Rodríguez é uruguaio, sobrinho do lendário proprietário do Moulin Rouge de Montevidéu, onde a burguesia endinheirada da Prata ia se divertir no começo do século 20. La Cumparsita teve uma primeira versão como rancho e só depois virou tango, conhecido como ‘Si supieras’. No Uruguai e na Argentina é tocada também como milonga. Matos Rodríguez vivia em Paris quando soube, através de Francisco Canaro, que sua música havia se tornado um grande sucesso, com letra de Pascual Contursi e Enrique Pedro Maroni. Entre os que gravaram La Cumparsita está Carlos Gardel, claro!, e Oswaldo Pugliese e Astor Piazzolla, versões instrumentais. Existe até uma versão japonesa, do grupo de rock Takeshi Terauchi e Blue Jeans. Faltam sete minutos para meia-noite (dia 20). Vou salvar logo para ficar no dia certo, 19. E o melhor que posso sugerir é – procurem no You Tube. Gardel! Si supieras…