As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Gatopardo!

Luiz Carlos Merten

25 Janeiro 2016 | 00h13

Não, não é o de Luchino Visconti, O Leopardo. Não tenho a menor paciência com essas revistas metidas a bestas – Piauí, Caros Amigos, essa nem sei se ainda é publicada – e sempre achei que eram cópias pioradas de Gatopardo. Acontece que nunca mais consegui encontrar a revista em aeroportos. Bem, encontrei em Bogotá. A edição bimensal 167 – dezembro de 2015, janeiro de 2016 – dá conta da festa de 19 anos da publicação. E estampa na capa uma belíssima entrevista com Alejandro González-Iñárritu, por The Revenant, antecipando que o filme teria múltiplas indicações no Oscar. The Revenant, O Regresso no Brasil, vai se chamar O Renascido na América espanhola e há até uma explicação para o título – o que volta da morte ou de uma longa ausência. O texto é de Eileen Truax e disseca tudo – o personagem real, as liberdades ficcionais, a filmagem com luz direta e ordem cronológica em ambientes inóspitos, o desenho do som, o comprometimento de Leonardo DiCaprio. Iñárritu queria ter feito o filme há três anos, mas ocorreu no meio do caminho O Lobo de Wall Street e o diretor teve de esperar todo esse tempo por Leo, mas não ficou parado e deu-se bem. Fez Birdman e, por menos que goste do filme, tenho de admitir que foi importantíssimo para ele. O curioso é que, por acurada que seja a matéria – e Iñárritu analisa com propriedade a segregação dos mexicanos nos EUA -, não há uma referência a Fúria Selvagem, Man in the Wilderness, que Richard C. Sarafian fez com Richard Harris e John Huston em 1971 e que tem tantas similaridades com O Regresso. Diria que são primos irmãos, para não insistir que são gêmeos, mas será que só eu percebo isso? Só eu vi Fúria Selvagem? Espero que meu editor Ubiratan Brasil, enviado do Estado no Oscar, mate minha curiosidade e interpele Iñárritu se, como se antecipa, o filme dele triunfar no prêmio da Academia.