Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Festival latino

Cultura

Luiz Carlos Merten

06 Julho 2009 | 13h10

Começa hoje o 4º Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, logo após o Cine-Sul, do Rio. Estive um fim de semana no Cine-Sul para assistir a alguns filmes da retrospectiva de Carlos Hugo Christensen. Teremos agora, aqui, uma retrospectiva de Nelson Pereira dos Santos, com seis títulos, entre eles as duas adaptações de Graciliano Ramos (‘Vidas Secas’ e ‘Memórias do Cárcere’) que justificariam, sozinhas, um lugar de honra para Nelson no panteão do cinema latino. Pessoalmente, lamento que a retrospectiva não inclua ‘Fome de Amor’, que me parece o filme mais ‘hispânico’ (se possível…) do autor. Nelson profere uma aula magna no sábado, que eu acho que será imperdível. O 4º Festival de Cinema Latino vai exibir cem filmes de 16 países (espero não estar errando os números). A abertura, hoje, para convidados, será com ‘La Teta Asustada’, de Claudia Llosa, que recebeu o Urso de Ouro em Berlim, em fevereiro. No Brasil, vai se chamar – chama-se – ‘O Leite da Amargura’. Magaly Solier, atriz e cantora, faz a protagonista e ela já estava no longa anterior de Claudia, ‘Madeinusa’. É uma diretora muito interessante. Tem um tipo físico mais para o europeu, pele e olhos claros, mas a clave de seu trabalho é a raiz indígena, que ela investiga para falar sobre mulheres na sociedade peruana. tenho uns amigos mexicanos e europweus que implicaram com o novo filme de Claudia. Dizem que ela é boa quando não está querendo imitar Lucrecia Martel, fazendo um cinema metafórico. Não senti isso em ‘La Teta’, mas a ressalva é deles e acho que pode render alguma discussão. Claudia viria, não vem mais. Carlos Cuarón, irmão de Alfonso, também viria, mas cancelou. O filme dele, ‘Rudo e Cursi’, com Gael García Bernal e Diego Luna, é outra das atrações anunciadas, com o título ‘Rude e Brega’. Alguns filmes brasileiros terão pré-estreia no festival, entre eles o novo Roberto Moreira, ‘Quanto Dura o Amor?’, que eu espero ver, mas estou de olho é no Belmonte, ‘Meu Mundo em Perigo’, maldito depois de ganhar um prêmio no Festival de Brasília de 2007. Quase dois anos e o filme segue inédito! Para que servem esses festivais – Brasília, Gramado –, se não têm força para ajudar sa colocar uma obra premiada imediatamernte em cartaz? Pelo contrário, parece que dificulta. Eu, hein? ‘Meu Mundo em Perigo’ passa quarta, no MIS, às 18 horas. Na sequência, valerá ficar na sala da Av. Europa porque o MIS vai mostrar ‘Aniceto’, de Leonardo Favio, nome histórico e mítico do cinema argentino, que vale conhecer (no caso de ainda ser desconhecido para vocês).