Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Feliz aniversário!

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

Feliz aniversário!

Luiz Carlos Merten

12 Setembro 2007 | 09h02

Pode ser o dia. Estou hoje de aniversário, como se diz no Sul, e a gente fica sensível, mais vulnerável às próprias emoções. Cheguei hoje na redação do Estado e ainda estou sozinho – nem a Leo, minha colega Leonilce Brioto, nem o Bira, Ubiratan Brasil, chegaram e eles também chegam cedo. Ficamos os três, trabalhando, jogando conversa fora e tomando café da máquina (amargo capuccino). Mas já chorei agora de manhã. Na passada para a minha mesa,peguei o Aliás de domingo, que estava jogado sobre um balcão. Estava escrito que eu tinha de ler o belo texto de Sérgio Augusto sobre o dramaturgo Arthur Miller, horrorizado perante a descoberta de que o autor de A Morte do Caixeiro Viajante, As Bruxas de Salem e Depois da Queda negou a vida inteira a existência de um filho com Síndrome de Down, só na morte lembrando-se dele (e o agraciando, em testamento, com um quarto de sua fortuna). Miller foi sempre um símbolo da consciência americana. Crítico do sonho americano, altivo na luta contra o macarthismo, teria uma biografia pessoal irrepreensível, se não fossem essas ‘Novas Páginas da Vida’, como Sérgio Augusto intitulou seu texto, fazendo a ponte com a recente novela de Manoel Carlos. O que fazer? Atirar pedras em Arthur Miller? Destruir-lhe, postumamente, a reputação? De perto ninguém é normal e as reações variam tanto, de pessoa a pessoa, face aos problemas que as afligem. Miller negou o filho, que afastou de casa e internou em instituições. Não queria que a presença do garoto causasse constrangimento à filha ‘normal’, Rebecca, que depois virou cineasta, casou-se com Daniel Day-Lewis e, ao descobrir a existência do irmão, passou a visitá-lo pelo menos uma vez por mês. Arthur Miller errou com Daniel, mas acertou com Rebecca, porque ela poderia ser um monstro de egoismo, e não é. Sérgio Augusto escreve um texto indignado sobre o Miller, mas ele próprio acrescenta, no final, que Daniel, o filho rejeitado, virou, ao que se diz, um homem extraordinário, muito afável, inteligente e bem-humorado. Fiquei pensando que a história que eu queria ler era a do Daniel. Como, com tanta coisa contra, ele virou o que é? Tantos jovens bem nascidos, e amados, perdem-se no caminho. A alguns, como Daniel Miller, a adversidade fortalece. E imagino que ele tenha tido um anjo da guarda. Quem? Sérgio Augusto diz que se lembrou de Evaldo Mocarzel, nosso ex-editor do Caderno 2, documentarista premiado e pai da Joana, que tem Síndrome de Down e virou estrela de TV, na novela Páginas da Vida. Quando soube da história do Miller, Sérgio Augusto conta que a primeira pessoa em que pensou foi o Evaldo. ‘Ele vai ficar horrorizado’, foi o pensamento que lhe veio. Será? Pois o próprio Evaldo sempre diz que Do Luto à Luta foi o filme que ele queria que lhe tivessem mostrado, quando Joana nasceu e ele soube que ela era downiana. Evaldo também teve suas dúvidas. Como não ter? Fez o filme para entender a própria filha (e sua relação com ela). Joana virou um raio de luz na vida dele e da Letícia, sua mulher. Dito assim, parece melodramático, eu reconheço, mas eu também conheço o Evaldo, e sei. Daniel Miller não teve o apoio do pai, mas teve o apoio de alguém. O que faltou ao Arthur Miller, que cedeu a um cruel preconceito, foi um Evaldo em sua vida, alguém que lhe mostrasse que o luto pode virar luta. Tudo isso me veio à cabeça a partir do texto inspirado do Sérgio Augusto. Este post pode parecer um tanto enigmático para vocês, mas eu também sei por que o estou escrevendo justamente neste dia, 12 de setembro, que é o do meu aniversário. Afinal, sou portador de uma deficiência. Se minha mãe – perdi o pai muito cedo – não me tivesse criado daquele jeito, sem estabelecer nenhuma diferença com meus irmãos, sem fazer de mim o ‘pobrezinho’, minha vida talvez tivesse sido diferente e eu não acredito que pudesse ser melhor. Tenho amigos que dizem que sou louco, que me exponho demais no blog. Estou me expondo, mais uma vez. Feliz aniversário para mim.

Encontrou algum erro? Entre em contato