As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estou gostando!

Luiz Carlos Merten

11 Janeiro 2016 | 00h51

Confesso que não engoli o prêmio de melhor ator de comédia ou musical para Matt Damon, por Perdido em Marte, mas é que não entrei na ficção científica de Ridley Scott. Queria mais que tivessem esquecido o Matt, puta cara chato, credo, mas o pior de tudo é a classificação de comédia para um filme que tem pouco humor (algum, involuntário) e quanto a musical…. Bem, acho que perdi o canto e a dança. Mas gostei dos Globos de Ouro para Divertida Mente (animação), Ennio Morricone (trilha, Os Oito Odiados), Sylvester Stallone (melhor coadjuvante, mesmo que ainda não tenha visto Creed, o que vou fazer amanhã à noite), Kate, claro (a Winslet, magnífica melhor coadjuvante por Steve Jobs) e Aaron Sorkin (melhor roteiro, de novo por Steve Jobs). Acho importante que O Filho de Saul tenha recebido o prêmio de melhor filme estrangeiro, mas, com o risco de decepcionar (a quem?), não estou muito seguro de ‘gostar’ de verdade do filme do húngaro Laszlo Nemes. Vamos em frente. A festa do Globo de Ouro continua.