Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Engatadinhos, para não perder

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

Engatadinhos, para não perder

Luiz Carlos Merten

27 Outubro 2009 | 14h39

Já falei tanto sobre ‘Natimorto’… O filme que Paulo Machline adaptou do romance de Lourenço Mutarelli terá sessão daqui a pouco – 15h40 – na Mostra. Vai ser no Cinema da Vila. Gostei demais do filme e até acho que deveria ter vencido a Première Brasil, no Festival do Rio. Já escrevi tanto sobre isso, no blog e no jornal, que a afirmação me valeu uma cara torcida de Esmir Filho, o vencedor de fato – por ‘Os Famosos e os Duendes da Morte’, sobre aquele hemo gaúcho. Encontrei Esmir no Arteplex, sábado à noite, e ele me deu um cumprimento bem gélido. ‘Ôi!’ Fazer o quê? Não é nenhuma implicância, claro, mas eu gostei tão mais de ‘Natimorto’… Gostei de tudo, inclusive da interpretação do próprio Mutarelli, que faz o protagonista(e que meu colega Jotabê Medeiros define, com tanta justeza, como ‘Kafka do Tatuapé’). Tanta gente, tantos ‘autores’, tentam ser profundos, inovadores, o escambau. Mutarelli é, ao natural, e o filme, que tem a sua cara, deixa anos luz atrás todos aqueles que eu nem vou citar para que seus diretores não se sintam ofendidos. E a Simone Spoladore? Vão lá, vejam e depois comentem. Termina o “Natimorto’ e acho que dá tempo, se você for correndo e tiver comprado ingresso, de ver o filme que, sozinho, vale os 424 da programação – ‘Independência’, de Raya Martin, às 17h40, no Arteplex. Escrevi um pequeno texto hoje no ‘Caderno 2’ e não quero ficar me repetindo, mas ‘Independência’ integra uma trilogia que o diretor programa sobre as ocupações das filipinas (por espanhóis, norteamericanos e japoneses). O primeiro, ‘A Short Film about the Indio Nacional’, remonta à ocupação espanhola. Este trata da americana e tem ercos de Hou Hsiao-hsien (‘Three Times’) e Apichatpong Weerasethakul (‘Mal dos Trópicos’) na história desta mãe que parte com o filho para a floresta. Raya Martin filmou em estpúduio, retomando uma tradição do cinema colonial, com o qual rompe. É deslumbrante. Vejam. Estou subindo para almoçar e volto daqui a pouco. Quero postar mais alguma coisa sobre o dia de hoje na Mostra, mas só esses dois grandes filmes já são suficientes para manter vocês ocupados.