Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » E o Sr. Fox, hein?

Cultura

Luiz Carlos Merten

04 Dezembro 2009 | 13h40

Nem saberia direito dizer o quê, mas tem alguma coisa que entrava minha entrada no cinema de Wes Anderson e até hoje eu não me senti tentado, ou obrigado, a investigar o que seria. Gosto do seu humor, da bizarrice dos personagens e situações, mas filmes como ‘Os Excêntricos Tennenbaums’ e ‘Steve Zissou’ me deixam gélido (como ‘É Proibido Fumar’, ainda que mal comparando). Por isso mesmo, não posso deixar de registrar correndo o que me aconteceu esta semana (e venho querendo opostar há dias). Havia perdido as cabines de ‘O Fantástico Sr. Raposo’, mas Renata Cajado arranjou de me mostrar o filme na própria cabine da Fox. Lá fui eu como quem cumpre um fado (ou carrega um fardo). O filme me apanhou de um jeito que me deixou louco. Como animação – stop motion – para o público adulto, ‘Sr,. Raposo’ terminou sendo, para mim, o que certos filmes de Tim Burton gostariam de ser. Burton, aluiás, adaptou outro original do escritor Roald Dahl, ‘A Fantástica Fábrica de Chocolate’, que já havia sido filmado no começo dos anos 1970 (por Mel Stuart). Nunca mais revi o filme, que virou cult, mas face à versão ‘cenográfica’ de Tim Burton – parece filme de diretor de arte, como aquele horroroso ‘Toys’, de Barry Levinson -, o filme antigo já foi promovido, automaticamente, à categoria de obra-prima. (Estou brincando, hein?) Mas eu realmente gostei demais de ‘Sr. Raposo’. O filme é politicamente incorreto e assume tanto que é para adultos que nem está sendo lançado com cópias dubladas – só legendadas. Como a censura é livre, acredito, de qualquer maneira, que não fará mal a crianças verem a história dr Ser. Raposao, que volta à vida de ladrões de galinhas e vê o filho ser sequestrado pelos fazendeiros criadores de aves, como represália. O que ele faz para restaurar sua família me tocou de tal maneira que, no final, eu estava em êxtase. É a primeira animação de Wes Anderson e não sei se ele fará outras, mas fiquei até com vontade de rever seus filmes, para descobrir por que esse me atingiu. O cinema é uma coisa maravilhosa. Ratatouille, Sr. Raposo. Essas animações mexem comigo e se tornam viscerais como, sei lá, velhos clássicos do neo-realismo. Não me emocionei menos com Geoerge Clooney, o Sr. Raposo, do que com ‘Umberto D’ – um título ao azar -, a que assisti este ano nos cinemas, em Paris. Quero postar alguma coisa sobre ‘Atividade Paranormal’, mas deixo para depois. estou tendo de resolver um pepino. De qualquer maneira, achei este ‘Atividade’ muito bom. Algo de novo está se passando no cinema de terror (e envolve o departamento de achados e perdidos, mas fica para mais tarde).