Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » E o Globo de Ouro?

Cultura

Luiz Carlos Merten

19 Janeiro 2011 | 10h51

Não falei nada sobre o Globo de Ouro, até porque só soube ontem, ao chegar, que ‘A Rede Social’ foi o grande vitorioso dos prêmios da Associação dos Correspondentes Estrangeiros de Hollywood. Há tempos que o Globo de Ouro deixou de ser um indicador seguro do Oscar, mas não vejo como a Academia poderá fugir à lista de premiados da imprensa. ‘A Rede Social’ tem sido uma rara unanimidade de crítica e eu tenho pena das pessoas que têm sido vozes discordantes, até porque a pobreza que tentam atribuir ao filme na verdade está em sua argumentação. Colin Firth, Natalie Portman, não vejo como o Oscar poderá fugir a essas ‘obviedades’. Até ‘Cahiers du Cinéma’ – por que o até? – está celebrando ‘A Rede Social’. Na verdade, a história de amor da revista por David Fincher vem de antes, de ‘Zodíaco’, que admito agora ter sido o grande esquecido na minha lista de melhores da década passada. Mas, para prosseguir nas escolhas de ‘Cahiers’, achei muito interessante que a revista tenha bancado, com ‘Tio Boonmee’, de Apichatpong Weerasethakul, que estreia na sexta, filmes como ‘Toy Story 3’ – uma obra-prima – e ‘Mother’. A propósito, encontrei em Paris a jornalista italiana Maria Pia…, como é mesmo o sobrenome dela?, do ‘Repubblica’, que também integrava o júri do myfrenchfilmfestival.com. Fomos voto vencido – há um embargo para anunciar o vencedor até dia 6 ou 7 de fevereiro, à espera dos votos dos internautas -, mas conversei bastante com a Maria Pia sobre ‘Vincere’ (e Marco Bellocchio). Ela, que também ama o filme, me disse que Vittoria Mezzogiorno não poderá ser indiocada para o Oscar – mesmo após ganhar o prêmio de melhor atriz da crítica de Nova York – porque ‘Vincere’ foi lançado somente em DVD nos EUA. Ou seja, com a possível exceção de Annette Bening, por ‘Minhas Mães e Meu Pai’, Natalie Portman é cada vez a unanimidade anunciada no Oscar de 2011. Ah, ainda sobre o Globo de Ouro, achei legal a vitória da dinamarquesa Susanne Bier na categoria filme estrangeiro. Confesso que, pelo título, me havia passado despercebido que o filme dela, ‘In a Better World’, é o mesmo que passou na Mostra como ‘Em Um Mundo Melhor’. Gosto da diretora e de suas crônicas familiares. ‘In a Better World’ poderá até não bisar o prêmio, mas dificilmente não estará entre os indicados para o Oscar. Prefiro-o mil vezes a ‘Des Hommes et des Dieux’, de Xavier Beauvois, que ganhou o Lumière de melhor filme, na França.