Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » DVD

Cultura

Luiz Carlos Merten

15 Dezembro 2010 | 15h45

Confesso que adorei meu texto de hoje na página de DVD do Caderno 2 sobre ‘Os Companheiros’, o clássico de Mario Monicelli com Marcello Mastroianni como o Professor Sinigaglia. Antônio Gonçalves Filho disseca a América suburbana de Douglas Sirk, escrevendo sobre ‘Desejo Atroz’, e eu aproveito para lembrar o jovem Al Pacino e seu descobridor, Jerry Schatzberg. Não acreditei quando, na segunda à tarde, passei na loja da 2001 da Sumaré e encontrei o anúncio de ‘O Espantalho’. Em Nova York, havia ido à apresentação de ‘Entre a Fama e a Loucura’ (Puzzle of a Downfall Child), no FilmForum, e fiquei ouvindo o próprio autor, Schatzeberg, falar não apenas sobre seu filme com Faye Dunaway, mas também sobre os dois que fez com Pacino, ‘Os Viciados’, Panic in Needle Park, e ‘O Espantalho’. No rodapé, as notas de lançamento, escrevo um textinho básico sobre ‘O Gato Negro’, lançamento da própria 2001. Na abertura da Semana Pirelli de Cinema Italiano, ao conversar com Kim Rossi Stuart, o assunto caiu, não lembro bem por quê, em diretores como Lucio Fulci, que os críticos, décadas atrás, amavam odiar e hoje foram resgatados, viraram cults e, no caso específico de Fulci, deve haver mais livros sobre ele lançados na Europa e nos EUA do que sobre quem?,  Sirk? Monicelli? Muitos mais. Pois bem. Kim Rossi Stuart me lembrou o tempo em que frequentava os sets de Lucio Fulci, de quem seu pai, Giacomo Stuart, foi ator, em muitos filmes. Foi uma visão muito interessante, de ‘dentro’, de Lucio Fulci. No ‘Dicionário de Cinema’, Jean Tulard observa que, depois de se especializar no horror, Fulci chegou a adquirir a reputação de grande mestre. Embora seus vampiros er mortos-0vivos venham diretamente do cinema hollywoodiano de gênero, os detalhes repugnantes e a morbidez são muito europeus. Kim Rossi Suart, lembrando-se do ‘zio’ (tio) Lucio, me fez crer que, para ele, Fulci, tudo isso devia ser muito divertido.