Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » DVD (2)

Cultura

Luiz Carlos Merten

08 Outubro 2007 | 17h09

Atropelei o título que eu próprio havia dado a esta série de posts sobre lançamentos de clássicos em DVD. Em vez de DVD 2, tasquei o título sugerido pela idade dos atores que interpretam Romeu e Julieta no filme de George Cukor. O 2 vai vir agora e é outro lançamento da Warner – ‘Sonho de Uma Noite de Verão’. Embora menos do que ‘Romeu e Julieta’, o cinema também adaptou muitas vezes a peça de Shakespeare sobre as muitas faces do amor – cego, volúvel, verdadeiro -, mas esta é a versão mais famosa, realizada em 1935 por Max Reinhardt, em parceria com William Dieterle. Grande diretor alemão de teatro, Reinhardt formou toda uma geração, ou gerações, de atores e diretores que foram parar em Hollywood, fugitivos do nazismo. Tenho a impressão que todo mundo ligado à arte da representação na Alemanha, no começo do século passado, passou pelas ordens dele – Murnau, Dieterle, Paul Leni, Ernst Lubitsch, Paul Wagener, Otto Preminger, Conrad Veidt, Emil Janningers. A história é uma extravagância só, já que, sob a influência de fadas, o amor vira experiência delirante, levando, entre outras sandices, a que uma rainha se apaixone por um burro – estará Shakespeare na origem de ‘Pele de Asno’, de Perrault? A questão é que, emigrado para os EUA, Reinhardt montou a peça no Hollywood Bowl, em 1934. Cooptado pela Warner, fez também, no ano seguinte – em parceria com o discípulo Dieterle, que viraria nome importante do cimnema noir -, a versão cinematográfica com a nata do elenco do estúdio (James Cagney, Dick Powell, Joe E.Brown, Jean Muir, Victor Jory, etc), mais a jovem Olivia De Havilland, que ele havia descoberto no palco. O filme não é apenas barroco. Reinhardt e Dieterle transformam o clima de sonho num espetáculo audiovisual excessivo e delirante. A fotografia (em preto-e-branco) de Hal Mohr ganhou o Oscar e é um assombro. Vi este filme há muitos anos, dublado, na TV. Nunca revi. É uma daquelas obras de prestígio que vale conferir. Será que se mantém ou seu valor será hoje arqueológico? O DVD vai me permitir agora matar a charada.