Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Documentários de Israel

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

Documentários de Israel

Luiz Carlos Merten

03 Agosto 2007 | 14h59

Não estou dando sorte com meus posts. Desde ontem tento postar e sempre ocorre um problema. Ontem eu estava fora da eletricidade e não percebi que a bateria estava acabando.Quando fui salvar, bye-bye. Apagou. Ainda há pouco, estava conectado, tinha bateria, mas sei lá o que houve e, de novo, na hora de salvar, perdi tudo. Espero que desta vez vá. Tenho conhecido gente muito bacana do cinema israelense, primeiro em Haifa e, agora, em Tel-Aviv. Ontem, por exemplo, levei um papo muito legal com Ilana Tsar, que dirige o É Tudo Verdade daqui, um festival de documentários chamado docaviv. O site é docaviv.co.il. Ilana me disse que conhece Amir Labaki, que trocam figurinhas, mas um não pode prestigiar o trabalho do outros porque os festivais ocorrem na mesma época. Conversamos sobre o cinema israelense e eu, naturalmente, citei Amos Gitai, conhecidíssimo da Mostra, e Joseph Cedar, que ganhou o Urso de Prata deste ano (melhor direção) por Beaufort. É um filme de guerra impressionante. Aguardem pela Mostra para ver. Pois bem – Ilana me confirmou o que já havia dito o diretor da Cinemateca de Haifa, Nissim ben Joya – o melhor do cinema israelense atual é representado pelos documentários. Para prová-lo, não sei qual dos dois me mandou, mas recebi hoje no hotel o DVD de Children of the Sun, que venceu o prêmio de melhor documentário no Festival de Jerusalém deste ano. As crianças do sol pertencem à primeira geração de israselenses criados em kibutzim, por pais socialistas, que não acreditavam na família tradicional. Eles criaram os filmes como se fossem de todos, mas a utopia não teve o efeito desejado e as crianças foram traumatizadas pela experiência. Ran Tal é o diretor. Sinceramente, não me lembro se passou no É Tudo Verdade, em abril, mas se passou, quem viu sabe que é muito forte. O post está longo. quero falar sobre Amos Gitai, mas vou deixar para o próximo.