Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Do contra

Cultura

Luiz Carlos Merten

24 Fevereiro 2009 | 15h43

Não resisto a postar um comentário. Fui ontem à TV Cultura para falar de Oscar no ‘Metrópole’. No novo formato do programa, as participações estão curtas – fiquei três minutos no sofá com Cunha Jr. e Domingas Person. Eles acharam o máximo. Dizem que há um mês ninguém dava entrevista ao vivo no programa. Antes da transmissão, comentando as coberturas do ‘Estado’ e da ‘Folha’, observaram que Inácio Araújo não apenas não gostou de ‘Quem Quer Ser Um Milionário?’ como achou o filme de Danny Boyle péssimo. Ah, é, pensei comigo e por breves segundos imaginei o que meu amigo Inácio – com todo respeito, hein? – consideraria ótimo. Desisti, porque a coisa estava ficando escabrosa na minha cabeça. Hoje pela manhã, no jornal, comentaram comigo a cobertura da ‘Folha’. Não olho nem morto, mas me disseram que o jornal deve ter encomendado uma cobertura do contra, porque ninguém gostou de nada. Há um jornalismo que vive de polêmicas a qualuer preço, criando tesmpestades em copo d’água e que não repercutem. (não deixa de ser um contra-senso que eu diga isso e trate aqui do assunto.) O novo formato do Oscar, o apresentador, os filmes, tudo porcaria. Nada prestou. Os cinco filmes indicados para o prêmio principal seriam a prova de que o cinema de Hollywood morreu, a tumba. Dá para levar a sério? Vivo criticando o Oscar, vocês sabem. Prefiro ‘O Curioso Caso de Benjamin Button’ e ‘Batman – Cavaleiro das Trevas’, que nem foi indicado para melhor filme, a ‘Slumdog Millionaire’. Também não me empolguei com a biopic de ‘Milk’ e até acho que Gus Van Sant, quando quer ser convencional, exagera tanto quanto nas suas tentativas de ser ‘ousado’ e ‘experimental’, em filmes meia boca como ‘Last Days’ (‘Paranoid Park’ é melhorzinho – inho). Nem lá nem cá, nem num extremo nem no outro, eu consigo levá-lo muito a sério e fico lembrando do tempo em que Van Sant era bom, com ‘Mala Sorte’, ‘Drugstore Cowboy’ e ‘Garotos de Programa’. Fui rever ontem ‘Foi Apenas Um Sonho’ e gostei mais ainda do pequeno grande filme de Sam Mendes. Tenho defendido ‘O Leitor’, mas Kate Winslet merecia ganhar pelo novo filme do marido. E Leonardo DiCaprio merecia ter sido indicado por ‘Revolutionary Road’, nem que isso significasse retirar da lista de cinco Richard Jenkins ou Mickey Rourke (se é para arregaçar, eu também arregaço. Meu conceito de filme ‘péssimo’ está mais para ‘O Lutador’ do que para ‘Slumdog…’ Mas estou exagerando. Mesmo não tendo gostado de ‘O Lutador’, encontrei ali duas ou três cenas que me interessaram e isso é mais do que posso dizer dos filmes precedentes de Darren Aronofsky.). Tumba? Tive a sensação justamente contrária – de que Hollywood se reinventa, e isso sim é algo politicamente preocupante, porque o objetivo do cinemão é manter sua hegemonia neste novo mundo multicultural globalizado, em que Bollywood não apenas ganha espaço como virou sócia (de Steven Spielberg, por exemplo). Volto à minha tecla. Gosto muito de ‘Benjamin Button’. Surtei vendo ‘Batman’ em I-MAX. O filme ficou ainda melhor, como se fosse possível num filme já tão complexo e apaixonante. Se esse é o túmulo do cinema, me informem que estou morrendo de curiosidade para saber qual é o berço.