Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » ‘Discutiamo, discutiamo’

Cultura

Luiz Carlos Merten

23 Março 2009 | 09h35

Não, não se trata do episódio de Marco Bellocchio para o filme múltiplo ‘Amore e Rabbia’, nos contestadores anos 60, ou mais exatamente no célebre 68. Andei meio ausente do blog nos últimos dias, só validando comentários, porque estava envolvido com muitas matérias para o jornal. Uma delas já está sendo a capa de hoje do ‘Caderno 2’, um debate com professores sobre ‘Entre os Muros da Escola’, de Laurent Cantet, realizado no quadro das exibições do ‘Clube do Professor’, no Unibanco Arteplex, sábado. O filme passou às 11 da manhã, terminou à 1 e pouco e consegui reunir um punhado de professores (mais dois cineastas presentes à sessão). A discussão terminou passado das 2, porque a sala (a 9) já ia ser utilizada. Foi bem bacana, ou pelo menos assim achei. Havia mais gente que os personagens do texto publicado pelo jornal. O problema é justamente que, para redigir um texto, a gente termina ‘editando’ as entrevistas. Outros participantes disseram coisas muito interessantes que não consegui colocar no espaço de que dispunha. Agradeço a todos, de qualquer maneira, e me toca muito a forma como o filme de Cantet mexe com as pessoas. Desde Cannes, no ano passado – onde o júri presidido por Sean Penn outorgou ao filme a Palma de Ouro -, percebo que ‘Entre os Muros…’ não deixa ninguém indiferente. Quase me desmonto na cena em que Suleymane e a mãe vão para o comitê da escola e ele traduz para a mãe, que não fala francês, o que se passa. No sábado, tocou-me mais do que qualquer outra vez a cena da garota que chega para o ‘prof’ (François Gégaudeau) e lhe diz que nada aprendeu durante o ano letivo. Mais tarde, no páteo da escola, na integração entre professores e alunos (pelo futebol), ela vai rir e brincar. Mas aquela harmonia é falsa e a exclusão de Suleymane, sobre a qual ninguém fala, encerra uma crítica muito forte não só sobre a escola, como instituição, mas sobre a relação entre colonizados e colonizadores, tomando, no caso, como exemplo – ou ‘espelho’ -, a França. Grande filme.