Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » De olho nos comentários

Cultura

Luiz Carlos Merten

26 Novembro 2007 | 15h43

Fui conferir o comentário do Saymon – por que ninguém fala sobre ‘Técnica de Um Delator’ (Le Doulos), grande filme de Jean-Pierre Melville com Jean-Paul Belmondo e serge Reggiani. Eu jurava que havia citado o filme, que também é um dos meus preferidos do Melville e ainda tem Belmondo numa rara e grande atuação dramática. Digo rara porque Belmondo poucas vezes foi solicitado dessa maneira – acho-o genial em ‘O Ladrão Aventureiro’ (Le Voleur), do Louis Malle. Na maioria das vezes, com o Godard, por exemplo, o personagem se ajusta a Belmondo (e não o contrário). Um a zero para o Saymon. Mabs pergunta se Valeria Golino é a aluna de ‘A Primeira Noite de Tranqüilidade’, de Valerio Zurlini? Não é. A aluna, a quem o professor (Alain Delon) explica o significado da luz que emana da Madona del Parto, de Piero della Francesca, é Sonia Petrova. Bastou esse filme e esse papel para colocar a Petrova no firmamento dos cinéfilos – ou nos lençóis dos onanistas -, mas ela também integra a família real de ‘Ludwig’, de Luchino Visconti. Valeria Golino, vista há pouco, na Mostra, em ‘Atrizes’ – de Valeria Bruni Tedeschi –, fez filmes como ‘Frida’, ‘Respiro’ e também ‘Rain Man’, ‘Despedida em Las Vegas’, ‘Top Gang – Ases Muito Loucos’ e ‘Top Gang 2 – A Missão’. A sério, ou se autoparodiando, ela é sempre linda (e talentosa). Quanto a John Wayne, posso arder no inferno dos meus amigos comunistas, mas nunca vou deixar de amá-lo porque ele era republicano e, mais do que isso, direitista convicto. John Wayne é grande trabalhando com todos aqueles diretores que admiro – John Ford, Howard Hawks, Henry Hathaway, Edward Ludwig. Embora ele seja genial em ‘Rastros de Ódio’ e ‘O Homem Que Matou o Facínora’ e tenha recebido o Oscar por ‘Bravura Indômita’, o meu John Wayne preferido, como ator, é o de ‘A Primeira Vitória’, de Otto Preminger. Aquela cena em que ele acorda no hospital, no desfecho, todo arrebentado, e a Patrícia Neal está ali, velando na cabeceira, é uma das coisas mais lindas que vi no cinema.