Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Da série ‘Comentando os comentários’

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

Da série ‘Comentando os comentários’

Luiz Carlos Merten

28 Agosto 2007 | 15h36

Fábio, Negro, não dá. Espezinhar o Peter Jackson do Senhor dos Anéis, pelo menos comigo, não funciona. Sou louco pela trilogia e sempre me admirei que o Jackson, um diretor menor, tivesse concretizado aquele monumento. Adorei a entrevista do diretor de Mimzy, o todo-poderoso da New Line, Robert Shaye, porque ele me contou como foi persuadido por Jackson a bancar os filmes, depois que toda Hollywood já tinha dito não ao diretor. Também chamar o Spielberg de diluidor de histórias… Pode até ter sido, mas com, certeza não é na trilogia formada por O Terminal, Guerra dos Mundos e Munique. Fernando Severo queixa-se de que eu mudo de opinião com facilidade demais. Não é verdade. Acho que, no caso de Mike Leigh, talvez tenha me equivocado mesmo, mas em relação ao Tarantino e ao Lars Von Trier foram eles que mudaram, não eu. Reservoir Dogs e Pulp Fiction apontavam para uma coisa, mas depois o Tarantino encontrou no Robert Rodriguez a sua alma gêmea e deu no que deu. Lars Von Trier era maravilhoso em Ondas do Destino, não me convenceu no lance marqueteiro de Dançando no Escuro, mas admiti que Dogville e Manderlay me balançaram. Agora, O Grande Chefe, defenda quem quiser, eu achei lixo. Cláudia – belo texto do Scorsese sobre Antonioni. Aliás, o fato de não gostar da trilogia dele com DiCaprio nunca me impediu de destacar a importância do Scorsese como um raro autor apaixonado por cinema e que usa seu prestígio para preservar os clássicos de todas as latitudes. A viagem dele pelo cinema italiano é maravilhosa. Seus comentários sobre De Sica (Ladrões de Bicicletas e Umberto D) são assombrosos e lá ele já colocava A Aventura nas Nuvens. Para voltar ao Tarantino e ao Von Tier – eles mudaram e a mudança de rumo a mim, particularmente, deixou de interessar. Ou será que estou atado à política dos autores e, uma vez tendo defendido Tarantino, vou ter de defendê-lo sempre? Quem sabe o filme de guerra dele, se, ou quando, o concretizar, me faça mudar de idéia? Quem sabe? Do jeito que ele está evoluindo, acho que, na verdade, está in-voluindo.