Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Clássicos da Cult?

Cultura

Luiz Carlos Merten

09 Junho 2010 | 16h29

George Romero vai refilmar um Dario Argento dos anos 1970, ‘Profondo Rosso’, lançado no Brasil como ‘Prelúdio para Matar’. O filme passa-se num internato feminino e foi exibido, em presença do diretor, em Cannes Classics, não me lembro se no ano passado ou no anterior. Não sou lá muito fã do pai de Asia. Exagero por exagero, gosto mais dela, mas quero dizer que recebi ontem um pacote da Cult Classics. São três filmes produzidos por Dario Argento e realizados por Lamberto Bava, filho de Mario. A série ‘I Demoni’ virou cult, prometo dar uma olhada, mas em matéria de Bava sou mais o pai, grande cameraman. Mario Bava foi fotógrafo de Monicelli, Emmer e Steno. Me lembro do impacto que produziu ‘La Maschera del Demonio’, A Maldição do Demônio, por volta de 1960. O filme foi adaptado de Gogol e tem imagens perturbadoras (além de grande beleza). Barbara Steele faz bruxa que volta do túmulo para se vingar dos descendentes de seus assassinos. Era uma atriz inglesa de segunda que fez carreira cultuada na Itália, onde os diretores – Bava, Riccardo Freda e o Monicelli de ‘O Incrível Exército de Brancaleone’ – souberam explorar sua morbosità. Aliás, Barbara extrapolou o cinema de gênero, para o qual parecia talhada – com aquela misteriosa expressão facial, os olhos meio esbugalhados, a tez pálida, o todo produzindo um sentimento, ou sensação, de necrofilia – e teve seu momento Fellini em ‘Oito e Meio’, lembram-se? O tal pacote da Cult também recupera um dos primeiros filmes de Javier Bardem em papel estelar. No começo de sua carreira, o touro de Picasso – como o definiu Fernanda Montenegro – fez filmes como ‘Huevos de Oro’ e ‘La Teta y la Luna’, de Bigas Luna, sempre na pele do garanhão hiper sexualizado. Por volta de 2000, depois de ‘Carne Trêmula’, de Almodóvar, e ‘Perdita Durango’, de Alex de La Iglesia, ele estrelou ‘Segunda Piel’ e, na sequência, ‘Antes do Anoitecer’, em ambos fazendo papel de gay. No primeiro, de Gerardo Vera, Javier desestabiliza a vida burguesa de Jordi Mellà, levando-o a abandonar mulher e filho para sair do armário e viver louca paixão. Imagino que o filme deva ter cenas fortes, porque produziu escândalo na época. Não creio que tenha sido lançado no Brasil, mas pode ser que me engane. Eu, em todo caso, não vi (ainda).