Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Cinema em Concerto

Cultura

Luiz Carlos Merten

16 Setembro 2006 | 14h59

Devo dar uma palestra segunda à noite na Faap. Me foi sugerido que falasse das novas tendências do cinema brasileiro e mundial, coisa que farei com o maior prazer. Quando o jornal, o Estado, me manda fazer a cobertura de festivais como Cannes e Berlim, ou quando participo de junketts ou vou a festivais brasileiros, o objetivo é sempre o mesmo – me aparelhar para entender o que se passa no planeta cinema e levar isso aos leitores. Vou repassar as novidades, portanto, mas há momentos em que para estar à frente você precisa recuar.
Hein? Quero falar aqui, e agradecer ao maestro Jamil Maluf, pela emoção que me proporcionou ontem à noite, quando assisti, no Teatro Municipal, ao Cinema em Concerto dedicado a Dmitri Shostokovich. O programa foi aberto com as partituras do compositor que são usadas como tema de O Encouraçado Potemkin, notadamente a 5ª e a 11ª. Como cinéfilo e autor de livros, já vi e analisei inúmeras vezes a célebre seqüência da escadaria de Odessa, no clássico do Eisenstein, que Eric Hobsbawn, chovendo no molhado, considera a mais influente da história do cinema. Já escrevi num livro que, por mais influente que seja a dita seqüência, a do assassinato de Marion Crane na ducha de Psicose, de Alfred Hitchcock, não é menos influente. Não quero nem estabelecer juízos de valores, apenas pedir às pessoas sensatas que valiem a importância que aqueles 45 segundos de filme do Hitchcock tiveram, para o bem e para o mal, sobre todo o cinema que se fez depois.
Mas o tema é Potemkin, no Cinema em Concerto, com música ao vivo pela Orquestra Sinfônica de Repertório de São Paulo. Nunca vi Potemkin daquele jeito. Nunca a cena me apanhou tanto, me pareceu tão bela. A montagem rítmica de Eisenstein, nas cenas dos barcos a vela, a de atrações na escadaria,propriamente dita, culminando no levantar do leão, foram de arrepiar. Amanhã, domingo, às 11 horas, tem repetição do programa. Cinéfilo que se preze, terá de ir. É genial. Duvido muito que alguém, tendo ido, deixe de me agradecer pela dica, depois.