Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Chovam os raios

Cultura

Luiz Carlos Merten

29 Novembro 2010 | 09h39

A caminho do jornal, pela manhã, sempre que o táxi pára – não tem acento, eu sei, mas quando vejo escrito parece a preposição, não o verbo – nos semáforos, tem sempre uma garoto ou garoto me oferecendo o exemplar de ‘Metro’ ou ‘Destak’. No segundo, vi hoje uma notícia que me interessou bastante. Segundo a agência EFE, ‘Lula, o Filho do Brasil’ está cotado, com ‘Biutiful’ e outros títulos da produção latina, para ficar entre os finalistas ao Oscar de melhor filme estrangeiro. Não sei se teria votado no filme de Fábio Barreto, caso integrasse a comissão que o selecionou, mas torço para que isso ocorra – que ele fique entre os indicados. Tenho sido um solitário defensor do filme do clã Barreto, e não por nenhuma espécie de fidelidade a quem quer que seja da família nem ao próprio biografado. O que me cativou foi o filme, a releitura popular de ‘Deus e o Diabo na Terra do Sol’ – como a vi –, com os defeitos que possa ter. Aliás, foi uma das coisas que adorei no debate sobre ‘Os Residentes’, no Festival de Brasília. Apresentando a equipe, Maria do Rosário Caetano, que faz a mediação dos debates, disse que o fotógrafo Aloysio Raulino era autor de ‘Noites Paraguaias’, um filme imperfeito mas maravilhoso, ou maravilhoso mas imperfeito, não lembro mais. Tiago Mata Machado, diretor de ‘Os Residentes’, vilipendiado por sua ‘pretensão’ – mas o filme dele é muito interessante –, interrompeu-a para dizer que não existe ‘mas’. E daí se o filme é imperfeito? Grandes autores (Rossellini?) incorporaram a imperfeição ao seu método, aliás, fizeram dela seu método. Mas volto ao ‘Lula’. Um grupo de estudantes veio me entrevistar sobre o filme para o seu TCC, Trabalho de Conclusão de Curso. Me deixaram para o final, já tinham o trabalho pronto. Terminei desmontando a tese deles e o grupo saiu convencido de que ia ter de recomeçar o trabalho. Nunca achei que o problema – ou a solução – na eleição fosse o Lula filme, mas (e aqui o ‘mas’ cabe) o outro Lula, o presidente, como ficou provado. Uma eventual inclusão de ‘Lula’ entre os indicados para o Oscar forçaria as pessoas a lançarem um outro olhar sobre o filme. Intimamente, e mesmo que chovam raios sobre mim, torço para que isso ocorra.