Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » ‘Cão sem Dono’

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

‘Cão sem Dono’

Luiz Carlos Merten

09 Maio 2008 | 16h45

Não, o título que vocês acabam de ler não se refere ao filme de Beto Brant, mas a ‘O Amigo da Noiva’. Acho, de qualquer maneira, que eu peguei um detalhe da comédia romântica com Patrick Dempsey para falar de uma coisa que tem me escapado desde segunda-feira. Naquela noite, ocorreu a entrega dos prêmios da APCA, Associação Paulista dos Críticos de Artes, aos melhores de 2007. Subi ao palco com Frantchesco Ballerini, do ‘Jornal da Tarde’, para entregar os prêmios aos melhores do cinema e até agora não consegui postar nada sobre o assunto. Embora admire muito o trabalho de Wagner Moura em ‘Tropa de Elite’ – e o filme do Padilha com certeza não teria tanto impacto com outro ator na pele do Capitão Nascimento -, confesso que batalhei para que Selton Mello fosse o vencedor da categoria, por ‘O Cheiro do Ralo’. Senti-me recompensado. Selton fez um discurso de agradecimento dizendo que a vida toda sonhou com o prêmio da APCA e brincou com o Wagner, na platéia – foi melhor ator de TV, pela novela ‘Paraíso Tropical’ -, acrescentando que ele achava que o troféu seria do amigo, mas que agora nem a tropa de elite arrancava dele a bela escultura de Brennand que dá forma à estatueta. Quando subiu ao palco, Wagner foi cavalheiresco e disse aquilo que eu acho – que se existe um ator que deu cara ao cinema brasileiro da Retomada, em tantos filmes, foi o Selton e que ele não ia querer tirar o prêmio do cara porque Selton era uma referência para todos os atores brasileiros. Grande Wagner. Antes disso, Walter Carvalho, premiado pela fotografia de ‘O Baixio das Bestas’, já dedicara o prêmio a Beto Brant (que recebeu, com Renato Ciasca, o prêmio de roteiro, por ‘Cão sem Dono’). Queria até saber o por quê da dedicatória, embora, independentemente de qualquer motivo particular, ela tenha sido o reconhecimento de um nome importante do cinema paulista por um grande fotógrafo (e agora também diretor – depois de ‘Cazuza’, há grande expectativa por ‘Budapeste’, que o próprio Walter Carvalho, sem entrar em detalhes, me disse que vai surpreender). E isso me traz ao outro ‘Cão sem Dono’. Quem viu o trailer de ‘O Amigo da Noiva’ sabe que Patrick Dempsey faz este sujeito que banca o garanhão, trocando de mulheres como quem troca de roupas, até descobrir que a melhor amiga vai se casar com outro e ele a ama. Numa cena do filme, Dempsey está desistindo de batalhar por ela quando topa com o cão sem dono e percebe que a vida dele vai ser assim, dali para a frente, se ele não reagir. Para dar algum sentido a este post quero dizer que me surpreende como atores que não deram certo no cinema viram astros e estrelas na TV. Expliquem-me, por favor, mas me parece uma prova de que nada é definitivo e de que o fracasso é relativo. Não posso, de qualquer maneira, deixar de achar curioso. Patrick Dempsey virou astro na série ‘Grey’s Anatomy’, Sarah Jessica Parker arrasou em ‘Sex and the City’ – e o filme promete ser uma das sensações de público do ano, embora eu, que não conheço muito a série, pelas fotos, ache que vá ser um outro ‘Diabo Veste Prada’ – e até o Kiefer Sutherland ganhou uma sobrevida em ’24 Horas’, isso depois de amargarem carreiras que não foram exatamente brilhantes em Hollywood. As voltas que o mundo dá!