As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cannes (16)/O Dia D, com Lars Von Trier e…Han Solo!

Luiz Carlos Merten

15 Maio 2018 | 02h25

CANNES – A programação de hoje promete. Começa daqui a pouco – estou cinco horas à frente – com o Lars Von Trier, The House That Jack Built e às 7 da noite, 2 da tarde no Brasil, teremos Uma História Star Wars, Han Solo. Quem me conhece sabe da minha admiração por Ron Howard, um grande realizador que, às vezes, também é grande autor, isto é, quando emula o filme que sinto como obra referencial de sua carreira. O Homem Que Matou o Facínora, de John Ford, com John Wayne e James Stewart, com os quais o jovem Ron trabalhou, como ator, nos anos 1970, no western crepusculasr de Don Siegel, The Shootist, O Último Pistoleiro. A dualidade Doniphom/Stoddard, Wayne/Stewart, transparece nos conflitos dos filmes de Howard com Chris Hemsworth e algo me diz que talvez esteja em Solo, sobre o começo da amizade do herrói com Chewbacca na Faucon. Estamos no oitavo dia do festival, que se encaminha para o final. No sábado, ocorre a premiação e, no domingo, sigo para Paris, para uns dias no Quartier Latin e seus muitos cinemas de arte/ensaio. Desde que embarquei no Brasil estou querendo escrever sobre a Fedra do Club Noir, que havia visto na véspera, com Dib Carneiro, no Sesc Pompéia. A Fedra de Racine, a herança clássica (e jansenista) no teatro francês. Em Paris, descobri que há outra Fedra, a de Sêneca. Talvez seja interessante conferir ante de escrever sobre a Fedra de Roberto Alvim com Juliana Galdino.