Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Caminho da perdição?

Cultura

Luiz Carlos Merten

01 Março 2010 | 13h06

Estava pensando em deletar o post ‘De olho no circuito’, até porque pode parecer ofensivo para pessoas – artistas – que, no fundo, admiro, mas com os quais não ando em sintonia. Resolvi mantê-lo, à esapera das manifestações de vocês, mas agora quero mudar o tom e acrescentar uma notícia. Nos últimos anos, entrevistei várias vezes Barbara Broccoli, a produtora da série James Bond. É uma bela mulher e já lhe disse que acho que ela seria esplendorosa frente às câmeras, fazendo o tipo de personagem exuberante que Kim Catrall encarna hoje no cinema de Hollywood (essa segunda parte da observação é só entre nós). Graças ao sucesso de ‘Cassino Royale’, de Martin Campbell, que obteve a maior bilheteria de toda a série com o agente criado pelo escritor Ian Fleming, Barbara tem se permitido ousar. Em ‘Quantum of Solace’, convidou um diretor intinmista, Marc Foster, para comandar a aventura. Visitei o set no deserto de Atacama, no Chile, e fiquei cheio de expectativa – que o filme não segurou, ou só segurou em parte. Barbara Fleming agora radicaliza. O novo James Bond, com rodagem no segundo semestre e previsão de estreia em 2011, será dirigido por… Sam Mendes. Gostei muito dos últimos filmes dele, o ‘Revolutionary Road’, cujo título em português não lembro, e ‘Distante Nós Vamos’. Imagino que Sam Mendes, ao embarcar na aventura, vá querer imprimir sua assinatura à série. Em filmes como ‘Beleza Americana’, ‘Estrada da Perdição’ e ‘Soldado Anônimo’, ele tratou da autoridade por meio da figura paterna. São filmes sobre pais e filhos e o caso de ‘Soldado Anônimo’ é particularmente interessante, porque Mendes usa a Guerra do Iraque de Bush pai para enquadrar a de Bush filho. Imagino que ele não vá querer desistir de sua temática preferida, mas como vai desenvolvê-la? Confesso que esse é o tipo do desafio que me estimula. Tanta gente batendo na mesma tecla do experimentalismo, ou na tecla do mesmo experimentalismo. Mendes poderia continuar no tema do casal de seus filmes mais recentes. Resolveu arriscar. Gostaria muito de acreditar que ele vai me (ou nos…) surpreender. E, ah, sim, o filme marcará seu reencontro com Daniel Craig, que já estava em ‘Road to Perdition’. Não duvido que tenha partido do ator a ideia de convidar Sam Mendes, encampada por sua bela (e sexy) produtora. Só espero que essa nova rota não vá levar o autor para a (sua) perdição.

Encontrou algum erro? Entre em contato