As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cada qual com sua epifania

Luiz Carlos Merten

08 Junho 2014 | 23h15

Confesso que não tinha registro de O Caminho do Diabo, western de Anthony Mann que integra o novo pacote de DVDs da Versátil. Fiz uma rápida pesquisa no meu Dicionario de Directores del Western, de Vicente del Castillo, publicado pela espanhola (de Madri) T&B Editores. A informação de capa do DVD diz que foi o primeiro bangue-bangue do grande Mann e eu me surpreendi, porque sempre soube que havia sido Winchester 73, mas Del Castillo me esclareceu. Mann realizou três westerns em 1950 e Devil’s Doorway, lançado na Espanha e em toda a América espanhola como La Puerta del Diablo, foi realmente o primeiro, só que os seguintes, Winchester 73 e The Furies, terminaram sendo distribuídos antes e ele virou o terceiro. Em outro livro seminal para fãs de faroestes – Películas Clave del Western, de Quim Casas, Ediciones Rodinbook, de Barcelona -, o autor situa La Puerta del Diablo entre os filmes que, no começo dos anos 1950, propuseram a defesa dos índios, lançando um olhar diferenciado sobre os peles-vermelhas. O mestiço Robert Taylor volta condecorado da Guerra Civil, mas tem seus direitos de proprietário negados pelo simples fato de ter sangue índio. Ao pegar em armas, desencadeia nova guerra. Fiquei muito curioso para conferir O Caminho do Diabo, até porque Casas e Del Castillo invocam a dimensão shakespeariana do cinema de Mann, embora preferisse se a Versátil lançasse os filmes noir do grande diretor, anteriores a seus westerns. Agora, o que me deixou louco no pacote da distribuidora foi a edição comemorativa – definitiva, diz a capa – de Yojimbo e Sanjuro. Os dois filmes de sabre de Akira Kurosawa com Toshiro Mifune (e Tatsuya Nakadai como vilão) estão saindo juntos e cheios de extras – documentários, trailers e teasers. Yojimbo sempre foi o ‘meu’ Kurosawa, por mais que admire outros filmes do ‘Imperador’. Por isso mesmo, surpreendi-me ao ler, recentemente, uma entrevista em que alguém prefere Sanjuro. Tentei me lembrar quem foi – Quentin Tarantino, durante sua recente coletiva em Cannes, pelos 20 anos de Pulp Fiction (que, aliás, está em cartaz na cidade)? Não creio. Cheguei a pesquisar num livro que comprei – The Film That Changed My Life, em que 30 diretores relatam suas maiores epifanias em filmes. Já tenho o livro há algum tempo – desde o ano passado -, mas nunca havia nem folheado. Aproveitei e li as entrevistas de Bill Condon sobre Bonnie & Clyde, de Arthur Penn, e Michel Gondry sobre O Balão Vermelho, de Albert Lamorisse. São lindas. E o livro ainda tem Danny Boyle falando sobre Appocalypse Now, de Francis Ford Coppola; Peter Bogdanovich sobre Cidadão Kane, de Orson Welles; John Woo sobre Juventude Transviada, de Nicholas Ray; Richard Linklater sobre Touro Indomável, de Martin Scorsese; John Landis sobre A Sétima Viagem de Sinbad, de Nathan Juran etc. É outro livro seminal, de Robert K. Elder, editado pela Chicago Review Press.