Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Brasileiros em Veneza

Cultura

Luiz Carlos Merten

26 Julho 2007 | 14h11

Veneza tem uma curiosa relação de amor com Júlio Bressane. Os filmes do diretor vão sempre para a mostra no Lido, mas ele é considerado biscoito fino demais para concorrer ao Leão de Ouro. Bressane fica reservado para as mostras paralelas ou para a categoria fora de concurso. É o que vai ocorrer este ano com Cleópatra, interpretado por Alessandra Negrini. É legal, mas discriminatório. Godard e Resnais que também são experimentadores da linguagem, concorrem (e ganham) em Veneza, sinal de que a mostra tem abertura para esse tipo de cinema. A lista de Veneza foi divulgada agora há pouco. Será a edição de número 64 da mostra de arte cinematográfica, de 29 de agosto a 8 de setembro. O Brasil estará representado por quatro filmes, nenhum em competição pelo Leão de Ouro. Além do de Bressane, terá dois filmes, ambos documentários, na mostra Horizontes – Anabazys, de Joel Pizzini e Paloma Rocha, e Andarilho, de Cao Guimarães. Falei em quatro e aqui estão só três. O quarto é A Idade da Terra, na versão restaurada que volta a Veneza, 27 anos depois que o filme de Glauber integrou a competição. Na época, o diretor acusou o festival de estar vendido aos americanos por haver premiado Glória, de John Cassavetes, ex-aequo com Atlantic City, de Louis Malle. Glauber esculhambou Veneza. Chamou os críticos de imbecis e o público de colonizado. Mesmo de volta a Veneza, se vivo fosse, ele continuaria esculhambando. O diretor artístico do evento, Marco Muller, explicou a reduzida presença de títulos latino-americanos – só mais um, o mexicano Cohochi, de Laura Guzmán e Israel Cárdenas, integra a mostra Horizontes, dedicada a novas tendências –, sob a alegação de que nada mais do que foi proposto impressionou a comissão de seleção. Será que somos tão ruins assim? Em compensação, a seleção anglófona domina Veneza, com 19 filmes dos EUA e dez da Inglaterra, distribuidos pelas diferentes seções. Zanin, meu colega Luiz Zanin Oricchio, que cobrirá o Festival de Veneza para o Estado, já deve estar tratando do assunto no blog dele.