Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Brasil em Sundance

Cultura

Luiz Carlos Merten

03 Janeiro 2007 | 16h07

Flávia Guerra, que acaba de voltar da folga de réveillon, me conta que encontrou no Rio um cara bacana, diretor de um curta brasileiro que vai para Sundance. O festival ocorre de 18 a 28 deste mês. Flávia me disse o nome dele, Fellipe Gamarano Barbosa, que confesso que não me disse muita coisa. Perguntei qual o curta? É Beijo de Sal – e este eu conheço. Vi Beijo de Sal no Festival de Gramado, em agosto, na mesma noite em que passou o curta do Selton Mello, Quando o Tempo Cair. Adoro o Selton, mas não gostei muito do filme dele e até briguei com o Alessandro Giannini, que preferiu Quando o Tempo Cair – até aí, tudo bem –, mas resolveu achar que o outro era uma m… e aí fui à luta em defesa do Beijo de Sal. O filme teve, pode-se dizer, uma recepção gélida em Gramado. A crítica toda torceu o nariz. Até me diverti com a Flávia, dizendo que Fellipe tinha tudo que crítico de cinema não gosta – é bonito, talentoso e ainda cursou cinema nos EUA, o que só pode significar que é ‘colonizado’. Brincadeira à parte, a história do sujeito que sofre a má influência de um amigo, durante uma temporada na praia com a namorada, me evocou um filme antigo do Dino Risi, do qual gosto muito, Aquele Que Sabe Viver (Il Sorpasso), no qual o boa-vida Vittorio Gassman leva à destruição o jovem Jean-Louis Trintignant. Tenho a maior adoração pelo Risi, o Antonioni do humor, que transforma a análise do vazio existencial em tema de comédia. Nunca me esqueci de um filme dele com Enrico Maria Salerno, L’Ombrellone, lançado no Brasil com o título babaca de Férias à Italiana. Tem uma cena em que Salerno está na praia com a mulher e a Sandra Millo deixa a areia escorrer pelos dedos e engrena uma conversa sobre o tempo que passa. Sempre achei aquilo, pelo inusitado e pela intensidade, uma coisa de gênio. De volta ao Fellipe, num breve encontro com ele, em Gramado, sugeri que visse o filme de Risi, que ele não conhecia (mas saiu em DVD). Não sei se o Fellipe seguiu minha indicação. Gostei, de qualquer maneira, de saber que ele vai a Sundance com O Cheiro do Ralo, de Heitor Dhalia, e Acidente, do Cao Guimarães e do Pablo Lobato. Flávia Guerra está apostando que 2007 será o ano do Brasil em Sundance. Tomara que seja, embora eu, agora, esteja mais interessado em saber como será o Brasil na Berlinale. O Festival de Berlim começa dia 8 de fevereiro e, numa questão de dias, teremos o anúncio de sua seleção. Um passarinho me contou que este ano serão quatro filmes brasileiros em Berlim, incluindo um na competição. Qual? Ou quais? Estou ‘nos cascos’ para saber.

Encontrou algum erro? Entre em contato