Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » As mais belas histórias de amor

Cultura

Luiz Carlos Merten

03 Março 2011 | 08h38

Em janeiro, estava em Paris como jurado do 1º festival do cinema francês online, My French Film Festival. Aproveitei para ver um monte de filmes, fazer entrevistas. Havia ciclos do western, de estrelas – ícones do cinema de Hollywood –, uma retrospectiva de Visconti, as lições de cinema de Alain Garel (que me permitiram ver na tela grande ‘Le Plaisir’, de Max Ophuls), os tesouros da RKO. Já falei de todos esses ciclos, mas não havia falado ainda das mais belas histórias de amor, na Filmoteca do Quartier Latin. ‘Aurora’, de Murnau; ‘Avanti! Amantes à Italiana’, um grande Wilder, que só os franceses têm coragem de amar; ‘Deus Sabe Quanto Amei’, de Minnelli; ‘Elle et Lui’, que é como lá se chama o belo ‘Tarde Demais para Esquecer’, de Leo McCarey; ‘A Carta de Uma Desconhecida’, de Ophuls; ‘Tempo para Amar, Tempo para Morrer’, o último Douglas Sirk; ‘Interlúdio’, Notorious, de Hitchcock, com a dupla clássica Cary Grant/Ingrid Bergman; e um Sternberg a que nunca havia assistido, ‘Desonrada’, de 1931, com Marlene Dietrich na pele da espiã X-27, que desmascara um espião russo na 1ª Guerra, mas se apaixona pelo cara. Meu pai era de origem alemã. Deu a minha irmã o nome de Marlene, em homenagem à Dietrich. O que era aquela mulher filmada por Sternberg? Barrocos, carregados de erotismo, seus filmes transformam essa mulher num objeto – um magnífico objeto de desejo. Os lábios de Marlene em ‘Dishonored’, o cigarro que era um componente do seu mito… Por que estou lembrando disso agora? Porque encontrei aqui, em meio a meus papeis, no ‘Estadão’, o folheto promocional da mostra ‘Les Plus Belles Histoires d’Amour’. Durante três semanas, diz o texto, entre o sonho e a realidade, em companhia de casais separados, reunidos ou que assumem seu destino para se reencontrar, uma derradeira vez, na vida como na morte, o amor será soberano. Não seria que, apenas por causa disso o cinema deveria sobreviver? Para contar essas belas histórias de amor? Queria compartilhar esse mini texto com vocês.