Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Antes de morrer? Enquanto estamos vivos

Cultura

Luiz Carlos Merten

12 Dezembro 2010 | 13h07

Não tenho tido tempo de acrescentar posts sobre a mostra 50 Filmes para Ver Antes de Morrer, que o TCM apresenta ao longo de todo o mês. Amanhã à noite, acabo de escrever nos filmes da TV – estou na redação do ‘Estado’ –, o canal apresenta ‘Fuga do Passado’, o cult noir ‘Out of the Past’, de Jacques Tourneur, que onze entre dez especialistas consideram uma das obras emblemáticas da tendência, com ‘Curva do Destino’ (Detour), de Edgar G. Ulmer, que foi lançado em DVD. Existe essa controvérsia – o noir é um gênero ou um estilo? É mais um estilo porque, na verdade, existem westerns, melodramas e até fantasias científicas que se inscrevem na vertente e incorporam suas regras (clima sombrio, contrastes de claro/escuro, histórias de homens enganados por mulheres, de homens e mulheres enganados por aparências etc). Hoje, o TCM exibe, à 0h50 – na sequência de ‘O Império do Sol’, de Steven Spielberg –, ‘O Resgate dos Bandoleiros’, ‘The Tall-T’ no original. O filme pertence à memorável série de faroestes que o diretor Budd Oscar Boetticher fez com Randolph Scott nos anos 1950. É o segundo, de4 1957, dos seis filmes conjuntos, feito logo depois de ‘Sete Homens sem Destino’ e antes de ‘Entardecer Sangrento’, ‘Um Homem de Coragem, ‘O Homem Que Luta Só’ e ‘Cavalgada Trágica’. Ou me engano muito ou no cinema se chamava ‘O Resgate do Bandoleiro’, no singular. Agora é que ficou plural. Randolph Scott faz pistoleiro que se envolve com mulher que foi sequestrada por bando selvagem. Ele próprio é prisioneiro da quadrilha e tenta romper sua unidade interna, entrando em choque com Richard Boone que, anos mais tarde, seria o Lassiter da obra-prima de Gordon Douglas, ‘Rio Conchos’. Como sempre nos westerns de Boetticher, o herói e o vilão são o reverso um do outro, como se fossem as duas faces da mesma moeda e isso aumenta a potência dos filmes, ao mesmo tempo que lhes confere grande complexidade. Tenho preferências claras na obra de outros autores de westerns (John Ford, Raoul Walsh, Howard Hawks, Anthony Mann), mas  sempre empaco, e é um problema para mim, quando se trata da parceria Boetticher/Scott. Não hesito muito se tiver de escolher o melhor filme de Boetticher, e não será um western e sim o seu clássico de gângsteres ‘O Rei dos Facínoras’ ou então o documentário ‘Arruza’, sobre o lendário toureiro (que vi, o filme, no Peru, naquela mítica viagem da minha juventude). Fico sempre achando que é ‘O Resgate’ – a mocinha é a mãe de Mia Farrow, Maureen O’Sullivan –, mas me perturba mais, em ‘Cavalgada Trágica’, quando Randolph Scott é contratado para resgatar a mulher de um rancheiro, a revelação final de que o marido não é um covarde, mas cego, o que força o herói apaixonado a renunciar a seu objeto de desejo. ‘The Tall-T’ é um programão para (re)ver enquanto estamos vivos.