Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Anderson e Ritt, o individual e o coletivo

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

Anderson e Ritt, o individual e o coletivo

Luiz Carlos Merten

25 Fevereiro 2008 | 16h14

Pode ser bobagem – tenham paciência -, mas vou voltar ao ‘Sangue Negro’ só para dizer uma coisa que me ficou entalada. Não houve clima para perguntar ao Paul Thomas Anderson, na entrevista em Berlim, mas o filme dele começa exatamente igual a ‘Ver-Te-ei no Inferno’ (The Molly Maguires), de Martin ritt, que considero um dos grandes filmes dos anos 60 (e não só entre os produzidos nos EUA). No filme de Ritt acompanhamos, no interior da mina, a uma ação que não entendemos muito bem, mas depois se explica. A câmera, num movimento contínuo, sem corte, está grudada no personagem e o acompanha na saída da mina, até a explosão na profundidade de campo. O que vimos foi a preparação e execução de um ataque terrorista. Em ‘Sangue Negro’, a ação é individual, mas ela segue um esquema parecido até que Daniel Day-Lewis, todo rebentado, consegue sair do poço e ele explode. Temos uma ação coletiva e outra individual, mas em ambos os filmes há uma tensão entre Igreja e mineiros, ou entre Igreja e capitalistas. Tensão, para Anderson, não significa exatamente oposição. Ritt é mais dialético, no sentido clássico. O padre de ‘Ver-Te-ei no inferno’ condena os ataques dos Molly Maguires e o diretor Ritt vinga-se fazendo com que num filme imediatamente seguinte, ‘Lágrimas de Esperança’ (Sounder) – no intervalo entre ambos houve ‘A Grande Esperança Branca’ – seus personagens, negros, passem ao lado da igrejinha, que está fechada. Confesso que ainda não consegui formalizar, na minha cabeça, a ponte entre Anderson e Ritt – há uma peça que ainda me falta na ligação entre esses dois filmes tão diferentes e, ao mesmo tempo, com elementos tão parecidos. Em ambos, ‘Ver-Te-ei no Inferno’ e ‘Sangue Negro’, há um mundo subterrâneo, o das minas e o do petróleo. Em ambos existem a cobiça, a acumulação, a religiosidade e o ódio como motor das relações. Divago mas, se este é um blog de idéias, tomara que o post os leve a pensar um pouco no assunto, é só o que gostaria.