Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » ´Julia´, por que?

Cultura

As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cultura

´Julia´, por que?

Luiz Carlos Merten

10 Fevereiro 2008 | 16h59

BERLIIM – Está todo mundo reclamando da selecao oficial da Berlinale de 2008. O que tem de filme ruim nesta competicao nao está no gibi! Ontem, em conversa com meu amigo Kleber Mendonca, ele me observava que nao consegue encontrar o conceito desta selecao. Expressei meu ponto de vista. A Berlinale aposta em filmes que tratam de famÍlias disfuncionais e ligacoes terminais. Esta é a grande política do festival e, se formos ver, todos ops filmes, no limite, tratam disso. A política, propriamente dita, vem como conseq”encia, naquele sentido que disse o Costa-Gavras na coletiva de apresentacao do juri. Tudo é política, mas o que importa é a política do cotidiano, aquela que se estabelece nas relacoes interpessoais, que sempre envolvem um jogo de poder. A questao é que a esses dois grandes temas, Berlim este ano acrescentou um gosto acentuado pela violencia (quase um hiper-realismo). Tem havido nas telas muita perversao, muito abuso infantil. Dois ou tres filmes beiram o horrível, mas o pior, para mim, foi o ´Julia´, de Eric Zoncka. Havia gostado tanto de ´A Vida Secreta dos Anjos´… Quando ´Julia´ comecou, achei que Zoncka ia falar de bovo sobre personagens autodestrutivas (e mulheres que descobrem sua forca na fragilidade). ´Julia´- achei de muito mau gosto usar o mesmo título do filme cult de Fred Zinnemann com Jane Fonda e Vanessa Redgrave no fim dos anos 70 – conta a história desta bebada que entra numa roubada ao sequestrar um garoto para devolve-lo à mae. Julia é perseguida e, em fuga, atravessa a fronteira mexicana, onde o menino é sequestrado mais uma vez, agora por profissionais da extorsao. Tilda Swinton, que interpreta o papel, pega em armas e aí a gente se dá conta que o modelo de Zoncka foi outro filme com nome de mulher – ´Glória´, de John Cassavetes. Dito assim, pode até parecer interessante, mas Zoncka, dispersivo, fez uns 30 filmes em um. Ele deve ter achado que, desta forma, estaria, sei lá, subvertendo o cinema de generos, mas na verdade fez um osso duríssmo de roer. Eta filme ruim. E qual é a justificativa de Berlim para selecionar um filme que nao é de arte e eu duvido muito que tenha atrativos comerciais? Por que?