Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Ainda o ‘Salve Geral’

Cultura

Luiz Carlos Merten

20 Outubro 2010 | 14h41

Encontrei ontem no café do Espaço Unibanco Schlomo Azaria, que realiza o Festival do Cinema Brasileiro de Israel. Em agosto, deveria ter voltado ao Oriente Médio como jurado no evento deste ano, mas a data bateu com Gramado e tive de desistir. O júri, me relatou ontem o Schlomo, foi integrado somente por profissionais (críticos, diretores, técnicos etc) de Israel. Foram premiados dois filmes – ‘Uma Noite em 67’, de Renato Terra e Ricardo Calil , como melhor documentário; e ‘Salve Geral’, de Sérgio Rezende, como melhor ficção. Confesso que me surpreendeu a vitória do filme do Rezende, e não porque pense que ‘Salve Geral’ não tenha méritos. No Brasil, o filme foi tratado a pauladas, mas em Israel, segundo Schlomo, houve uma discussão muito interessante. Os jurados discutiram se ‘Salve Geral’ seria um ‘favela movie’ (‘Cidade de Deus’, ‘Cidade dos Homens’ etc) e chegaram à conclusão de que não, valorizando a tragédia familiar e o retrato da mãe que o diretor faz, de certa forma prolongando, por meio de Andréa Beltrão, a luta de Patricia Pillar em ‘Zuzu Angel’. Existem coisas – pontuais – que me impressionaram muito em ‘Salve Geral’, mas nenhuma imagem ficou tanto no meu imaginário quanto aquela da vitrine da loja de noivas destruída por uma bomba. O tema embutido no filme está todo ali – casamento, família, violência. A imagem daqueles manequins ardendo me assombra. Basta fechar os olhos para (re)vê-la. Hoje à noite, a premiação ocorre num restaurante de São Paulo. O festival deste ano como sempre se desenrolou em três cidades – Haifa, Jerusalém e Tel-Aviv –, mas desta vez somou mais um prêmio, um destaque de ator. Espero não estar cometendo nenhuma indiscrição, mas soube que o júri ficou dividido entre Alice Braga, de ‘Cabeça a Prêmio’, e Marat Descartes, de ‘Os Inquilinos’, optando por premiar o ator do filme de Sérgio Bianchi. Mesmo não sendo um grande fã de ‘Os Inquilinos’, Marat é bom. Resolvi fazer o registro dessa premiação um pouco para colocar o fato de que os estrangeiros muitas vezes, senão sempre, têm outra percepção da gente (e do País). A vitória de ‘Salve Geral’ me surpreendeu, e não posso dizer que tenha sido desfavoravelmente. Mas a minha porta de entrada no filme não é bem a mãe, mas a advogada de Denise Weinberg. É uma personagem e tanto, e uma senhora atriz.